Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/10807
Tipo: doctoralThesis
Título: Análise de componentes protéticos conceito switching: conformidade de adaptação e teste mecânico de fadiga
Autor(es): Bondan, João Lopes
Orientador: Teixeira, Eduardo Rolim
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Odontologia
Data de Publicação: 2017
Palavras-chave: IMPLANTODONTIA
FOTOELASTICIDADE
PRÓTESE DENTÁRIA
ODONTOLOGIA
Resumo: O estudo objetivou analisar a conformidade de adaptação de componentes protéticos de padrão switching e o comportamento dos mesmos frente a teste mecânico de fadiga, dispostos em dois manuscritos de acordo com a norma e perfil de publicação de duas revistas específicas da área de reabilitação oral. No manuscrito 1 foi realizada uma revisão literária, que elucidou conceitos relacionados à utilização da filosofia switching e seus benefícios biológicos evidenciados pela literatura. No entanto, fatores relacionados com estabilidade biomecânica associados a esse novo conceito demonstraram-se constituir uma temática pouco explorada e evidenciada pela ciência, necessitando, serem melhor compreendidos e confirmados por estudos que avaliem questões biomecânicas sobre esta filosofia. Através dessa carência demonstrada pela revisão literária, passou-se a etapa de estudo laboratorial, objetivando buscar respostas a questões envolvendo a estabilidade protética de longo prazo. O manuscrito 2 avaliou a conformidade de adaptação de componentes switching e seu comportamento frente a testes de ciclagem mecânica, tendo como metodologia o uso de 40 componentes protéticos para reabilitações unitárias sobre implantes padrão Hexágono Externo 4,1 Plataforma Regular, sendo divididos em quatro grupos: 10 componentes UCLA de 4,1 mm (grupo UC 4,1), 10 componentes UCLA de 3,6 mm (grupo UC 3,6) , 10 componentes tipo pilares cônicos de 4,1 mm (grupo AC 4,1) e 10 pilares cônicos de 3,6 mm (grupo AC 3,6) sobre referido implante padrão RP Hexágono Externo 4,1 mm. Os grupos foram avaliados por Espectroscopia de Energia Dispersiva (EDS) para confirmar o padrão de manufatura das amostras, e também comparada a adaptação com auxílio de Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) quanto a Fenda Vertical (FV) e Discrepância Horizontal (DH).Para a análise estatística dos dados de FV, aplicou-se os testes de Kruskal-wallis e Crosstabs, e para DH o procedimento de análise de Variância (Anova-Oneway) e de Tukey, ao nível de significância de 5%. Os quatro grupos de componentes (UC 4,1, UC 3,6, AC 4,1, AC 3,6 ) foram preparados conforme norma ISO 14801: 2007 e submetidos à 1.000.000 de ciclos, com carga de 100 N e frequência de 1 Hz em máquina de simulação de fadiga. Resultados indicaram conformidade de adaptação de fenda entre componentes variando de 70% a 90%. Quanto à DH os dois grupos com componentes Switching (UC 3,6 e AC 3,6) apresentaram degrau negativo de 7,07 % e 5,36% respectivamente em relação a plataforma regular, enquanto os grupos de padrão regular (UC 4,1 e AC 4,1) degrau negativo de 1,21% e 0 % (p≤0,05). Em relação à perda de torque após a ciclagem foram obtidos os graus percentuais em cada grupo de 25% (UC 4,1), 39% (UC 3,6), 38% (AC 4,1) e 51% (AC 3,6), (p≤ 0,01). Desse modo, resultados do presente estudo indicam que os componentes com padrão switching apresentam-se com comportamento biológico favorável de curto prazo de acordo com a literatura consultada, mas comportamento biomecânico limitado. Em fator de adaptação há um grau de marcante precisão em quase todas as amostras em termos de FV. A DH é notada em maior ou menor grau, tanto em amostras regulares, quanto em padrão switching. Observou-se que quanto maior o degrau negativo de discrepância horizontal, maior é o grau de perda de torque após a ciclagem mecânica. Foi observada também uma tendência de que quanto mais marcada a aplicação do conceito switching, maior a perda de torque associada.
The aim of this study was to analyze both the adaptation conformity of switching platform prosthetic components and their behavior in fatigue mechanical tests. The subject was split into two manuscripts according to the scope of two specific journals in the area of oral rehabilitation. The manuscript 1 presents a literature review that enlightened concepts related to the usage of the switching platform and its biological benefits demonstrated in the literature. However, factors associated with the biomechanical stability provided by this new concept have shown to be a coarsely explored area by science. Thus, such factors need to be better understood and confirmed by studies evaluating biomechanical issues of this platform. After demonstrating this shortage in the literature review, a laboratory study started, aiming at responding questions linked to the long term prosthetic stability. The manuscript 2 assessed the adaptation conformity of switching components confronted to mechanical cycling tests. The methodology was based on 40 prosthetic components for unity rehabilitations on implants standard HE 4.1 RP, being divided in four groups: 10 components UCLA 4.1 mm (group UC 4.1), 10 components UCLA 3.6 mm (group UC 3.6) , 10 components type conic abutment 4.1 mm (group AC 4.1) and 10 conic abutment 3.6 mm (group AC 3.6) on the respective implant standard RP HE 4.1 mm. The groups have been evaluated by Energy Dispersive Spectroscopy (EDS) to confirm the manufacture standard of the samples. Scanning electronic microscopy (SEM) was used to evaluate the adaptation in the vertical (FV) and horizontal (DH) directions. For the statistical analysis of the FV data, Kruskal-wallis and Crosstabs were used. Oneway analysis of variance (ANOVA) and Tukey (5%) were used for the DH data.The four groups of components (UC 4.1, UC 3.6, AC 4.1, AC 3.6 ) were prepared according to the ISO 14801: 2007 standard and submitted to 1,000,000 cycles, with a load of 100 N and frequency of 1 Hz in a universal fatigue testing machine. Results indicated conformity of adaptation (FV) among components varying from 70% to 90%. Concerning DH, the two groups of switching components (UC 3.6 and AC 3.6) presented a negative gap of 7.07% and 5.36% respectively in relation to the regular platform, while the RP groups (UC 4.1 and AC 4.1) presented a negative gap of 1.21% and 0% (p≤0.05). The loss of torque after the cycling test were: 25% (UC 4.1), 39% (UC 3.6), 38% (AC 4.1) and 51% (AC 3.6), (p≤ 0.01). Hence, the result of the present study indicate that the switching platform components present a favorable short-term biological behavior according to the literature, but limited biomechanical behavior. In adaptation factor, there is a strong degree of precision in almost all samples in terms of FV. DH is noticed in all groups. It is also noticeable that in the platform switching groups the loss of torque after mechanical cycling test was larger.
URI: http://hdl.handle.net/10923/10807
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000486189-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo2,3 MBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.