Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/1297
Tipo: masterThesis
Título: Avaliação da modulação na neurotransmissão colinérgica como resposta aos efeitos causados pela exposição ao agrotóxico endosulfan utilizando zebrafish (Danio rerio) como organismo modelo
Autor(es): Pereira, Vanessa Maynart
Orientador: Bogo, Maurício Reis
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular
Data de Publicação: 2012
Palavras-chave: BIOLOGIA CELULAR
NEUROBIOLOGIA
PESTICIDAS
PEIXES
ACETILCOLINESTERASE
EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL
TOXICIDADE
COMPORTAMENTO
Resumo: Endosulfan is a broad spectrum organochlorine pesticide that is still widely used in many developing countries. Following application endosulfan can get to watercourses through surface runoff from agricultural fields and disturb the nontarget aquatic animals including freshwater fish species. Given that the activity of the enzyme acetylcholinesterase (AChE) is one of the most recurrently used biomarkers of exposure to pesticides and there are controversial results concerning the effects of endosulfan exposure and AChE activity in fish, the aim of the present study was to evaluate the effects of endosulfan in brain AChE activity and its gene expression pattern using adult zebrafish (Danio rerio) as an animal model. Moreover, we have analyzed the effects of endosulfan exposure in different parameters of zebrafish swimming activity and in long-term memory formation. After 96 hours of exposition, fish in the 2. 4 μg endosulfan/L group presented a significant decrease in AChE activity (9. 44 ± 1. 038 μmol SCh. h-1. mg protein-1; p = 0. 0205) when compared to the control group (15. 87 ± 1. 768 μmol SCh. h-1. mg protein-1; p = 0. 0205). The downregulation of brain AChE activity is not directly related with the transcriptional control as demonstrated by the RT-qPCR analysis. Our results reinforce AChE activity inhibition as a pathway of endosulfan-induced toxicity in brain of fish species. In addition, exposure to 2. 4 μg endosulfan/L during 96 hours impaired all exploratory parameters evaluated: decreased line crossings (273. 7 ± 28. 12 number of line crossings compared to the control group 344. 6 ± 21. 30, p=0. 0483), traveled distance (23. 44 ± 2. 127 meters compared to the control group 29. 39 ± 1. 585, p=0. 0281), mean speed (0. 03 ± 0. 003 meters/seconds compared to the control group 0. 04 ± 0. 002, p=0. 0275) and body turn angle (69,940 ± 4,871 absolute turn angle compared to the control group 88,010 ± 4,560 p=0. 0114). These results suggest that endosulfan exposure significantly impairs animals' exploratory performance, and potentially compromises their ecological and interspecific interaction. Our results also showed that the same endusulfan exposure did not compromise animals' performance in the inhibitory avoidance apparatus. These findings provide further evidence of the deleterious effects of endosulfan exposure in the nervous system.
Endosulfan é um pesticida organoclorado de amplo espectro ainda utilizado largamente em muitos países subdesenvolvidos. As aplicações repetidas de endosulfan podem se incorporar aos cursos de água por meio da lixiviação dos solos das plantações e atingir animais aquáticos, incluindo espécies de peixes. Dado que a atividade da enzima acetilcolinesterase (AChE) é um dos biomarcadores de exposição aos pesticidas mais utilizados de forma recorrente e há resultados controversos envolvendo os efeitos da exposição ao endosulfan e a atividade da AChE em peixes, o objetivo do presente estudo foi avaliar os efeitos do endosulfan na atividade da AChE cerebral e seu padrão de expressão gênica utilizando zebrafish adulto (Danio rerio) como modelo experimental. Além disso, nós analisamos os efeitos da exposição ao endosulfan em diferentes parâmetros de locomoção do zebrafish e na formação da memória de longo prazo. Após 96h de exposição, os peixes do tempo com 2,4 μg/L de endosulfam apresentaram um decréscimo significante na atividade da AChE (9. 44 ± 1. 038 μmol SCh. h-1. mg proteína-1; p = 0. 0205) quando comparados com o grupo controle (15. 87 ± 1. 768 μmol SCh. h-1. mg proteína-1; p = 0. 0205). A regulação inibitória da atividade da AChE cerebral não está diretamente relacionada com o controle transcricional como demostrado pela análise de RT-qPCR. Nossos resultados reforçam a inibição da atividade da AChE como via da toxicidade induzida pelo endosulfan em cérebro de de peixe. Além disso, a exposição de 2,4 μg/L do endosulfan durante 96h prejudicou todos os parâmetros exploratórios avaliados: linhas cruzadas (273. 7 ± 28. 12 número de linhas cruzadas em comparação com o grupo controle: 344. 6 ± 21. 30, p=0. 0483), distância viajada (23. 44 ± 2. 127 metros comparados com o grupo controle 29. 39 ± 1. 585, p=0. 0281), velocidade média (0. 03 ± 0. 003 metros/segundos comparados com o grupo controle 0. 04 ± 0. 002, p=0. 0275) e mudanças de ângulo (69,940 ± 4,871 mudanças de ângulo absolutas comparadas com o grupo controle 88,010 ± 4,560 p=0. 0114). Esses resultados sugerem que a exposição ao endosulfan prejudica significativamente a performance exploratória dos animais e, potencialmente, compromete suas interações interespecíficas e ecológicas. Nossos resultados também demonstraram que a mesma exposição ao endosulfan não compromete a performance dos animais no aparato de esquiva inibitória. Esses achados fornecem evidências adicionais de efeitos deletérios da exposição ao endosulfan no sistema nervoso.
URI: http://hdl.handle.net/10923/1297
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000438119-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo1,34 MBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.