Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10923/1511
Type: masterThesis
Title: Qualidade de serviço em redes intra-chip: implementação e avaliação sobre a rede Hermes
Author(s): Mello, Aline Vieira de
Advisor: Moraes, Fernando Gehm
Publisher: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Graduate Program: Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação
Issue Date: 2006
Keywords: INFORMÁTICA
ARQUITETURA DE REDES
REDES DE COMPUTADORES
Abstract: The proposition of Networks-on-Chip (NoCs) for modern and future embedded systems capitalizes on the fact that busses present performance degradation when shared by a great number of cores. Even if NoC research is a relatively young field, the literature abounds with propositions of NoC architectures. Several of these propositions claim providing quality of service (QoS) guarantees, which is essential for e. g. real time and multimedia applications. The most widespread approach to attain some degree of QoS guarantee relies on a two-step process. The first step is to characterize application performance through traffic modeling and simulation. The second step consists in tuning a given network template to achieve some degree of QoS guarantee. These QoS targeted NoC templates usually provide specialized structures to allow either the creation of connections (circuit switching) or the assignment of priorities to connectionless flows. It is possible to identify three drawbacks in this two-step process approach. First, it is not possible to guarantee QoS for new applications expected to run on the system, if those are defined after the network design phase. Second, even with end-to-end delay guarantees, connectionless approaches may introduce jitter. Third, to model traffic precisely for a complex application is a very hard task. If this problem is tackled by oversimplifying the modeling phase, errors may arise, leading to NoC parameterization that is poorly adapted to achieve the required QoS. This work has two main objectives. The first one is to evaluate the area-performance trade-off and the limitations of circuit switching and priority scheduling to meet QoS. This evaluation shows where such implementations are really suited for achieving QoS guarantees, and when more elaborate mechanisms to meet QoS are needed. The second objective is to propose the use of a rate-based scheduling to achieve QoS requirements considering the execution time state of the NoC. The evaluation of circuit switching and priority scheduling show that: (i) circuit switching can guarantee QoS only to a small number of flows, this technique presents low scalability and can potentially waste significant bandwidth; (ii) priority-based approaches may display best-effort behavior and, in worst-case situations, may lead to unacceptable latency for low priority flows, besides being subject to jitter. In face of these limitations, rate-based scheduling arises as an option to improve the performance of QoS flows when varying traffic scenarios are used.
A proposição de redes intra-chip (NoCs) para futuros e modernos sistemas embarcados baseia-se no fato de que barramentos apresentam degradação do desempenho quando compartilhados por um grande número de núcleos. Mesmo a pesquisa de NoCs sendo um campo relativamente novo, a literatura possui muitas proposições de arquiteturas de tais redes. Muitas destas proposições objetivam prover garantias de qualidade de Serviço (QoS), o que é essencial para aplicações de tempo real e multimídia. O método mais amplamente usado para obter algum grau de garantia de QoS é dividido em duas etapas. A primeira etapa é caracterizar a aplicação através da modelagem de tráfego e simulação. A segunda etapa consiste em dimensionar uma determinada rede para alcançar garantias de QoS. Projetos de NoCs destinados a atender QoS usualmente provêem estruturas especializadas para permitir ou a criação de conexões (chaveamento por circuito) ou a definição de prioridades para fluxos sem conexão. É possível identificar três desvantagens neste método de duas etapas. Primeiro, não é possível garantir QoS para novas aplicações que venham a ser executadas no sistema, se estas são definidas depois da fase de projeto da rede. Segundo, mesmo com garantias de latência fim-a-fim, métodos sem o estabelecimento de conexão podem introduzir jitter. Terceiro, modelar tráfego precisamente para uma aplicação complexa é uma tarefa muito difícil. Se este problema é contornado pela simplificação da fase de modelagem, erros podem ser introduzidos, conduzindo a uma parametrização da NoC pobremente adaptada para atender à QoS requerida. Este documento tem dois principais objetivos. O primeiro é avaliar o compromisso área-desempenho e as limitações do chaveamento por circuito e do escalonamento baseado em prioridades para prover QoS. Esta avaliação mostra quando tais implementações são realmente apropriadas para atender requisitos de QoS, e quando mecanismos mais elaborados são necessários. O segundo objetivo é propor o uso de um escalonamento baseado em taxas para atender requisitos de QoS, considerando o estado da NoC em tempo de execução. A avaliação do chaveamento por circuito e do escalonamento baseado em prioridades mostra que: (i) chaveamento por circuito pode garantir QoS somente para um pequeno número de fluxos; esta técnica apresenta baixa escalabilidade e pode desperdiçar largura de banda; (ii) escalonamento baseado em prioridades pode apresentar comportamento melhor esforço e, em situações de pior caso, pode conduzir a uma latência inaceitável para fluxos de baixa prioridade, além de ser sujeito a jitter. Por estas limitações, o escalonamento baseado em taxas surge com uma opção para melhorar o desempenho de fluxos QoS quando cenários de tráfego variáveis são usados.
URI: http://hdl.handle.net/10923/1511
Appears in Collections:Dissertação e Tese

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
000391995-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo1,65 MBAdobe PDFOpen
View


All Items in PUCRS Repository are protected by copyright, with all rights reserved, and are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License. Read more.