Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10923/2203
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorRüdiger, Francisco Ricardoen_US
dc.contributor.authorOliveira, Cassiano Francisco Scherner deen_US
dc.date.accessioned2013-08-07T18:46:54Z-
dc.date.available2013-08-07T18:46:54Z-
dc.date.issued2011pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10923/2203-
dc.description.abstractIn the late seventeenth century, appeared the first journals that published reviews and details of events involving music and its audience. In this context, the profession of critics emerged, being known then as “arts referee”. Since then, the music criticism is present in print world as a journalistic genre that mediates artist and audience. In short, this is the essence of music criticism. The purpose of this thesis is to analyze the music criticism about Brazilian groups that represented Brazilian rock from the 1970s until the early 2000s. The documents chosen for this study were representative magazines about this genre. They are: Rolling Stone (Brazilian edition, from 1972 to 1973); Pop (from 1972 to 1979); Música (from 1976 to 1983); Somtrês (from 1979 to 1989); Pipoca Moderna (from 1982 to 1983) and Bizz (from 1985 to 2001). In this analysis, it is realized that music criticism was very weak and limited, especially in early publications, like Rolling Stone and Pop. From the late 1970s on, with the advent of the magazines Música e Somtrês, music criticism began to develop and professionalize. But Brazilian rock was then looked with suspicion by critics. In the following decade, that genre has come to be valued through the market power and prestige as well. But that recovery was not sustained for long, in market, prestige and music criticism: there wasn’t unanimity among critics about Brazilian rock. Moreover, groups that postulated as underground gained the sympathy of the music press. After succumbing to a loss of space in the media, between the late 1980s and the early 1990s, there was a slowdown in critics’ tone specialized in this genre. In short, this was the music critic figure acting as mediator between the musicians and a consuming public that the very critic thought ideal.en_US
dc.description.abstractNo final do século XVII, surgiram os primeiros periódicos que veiculavam críticas e detalhes dos acontecimentos que envolviam a música e o seu público. Nesse contexto, apareceu a profissão do crítico, conhecido na época como “árbitro das artes”. Desde então, a crítica musical se faz presente no mundo impresso como um gênero jornalístico que processa a mediação entre o artista e o público. Em suma, essa é a essência da crítica musical. A proposta desta tese é realizar uma análise a respeito da crítica musical referentes aos grupos brasileiros que representaram o gênero rock do início da década de 1970 até o princípio dos anos 2000. A documentação escolhida para esta pesquisa foram as revistas. Rolling Stone (edição brasileira, editada entre 1972 a 1973); Pop (editada entre 1972 a 1979); Música (editada entre 1976 a 1983); Somtrês (editada entre 1979 a 1989); Pipoca Moderna (editada entre 1982 a 1983) e Bizz (editada entre 1985 e 2001). Nesta análise, percebe-se que a crítica musical era muito incipiente e limitada, principalmente nas primeiras publicações, Rolling Stone e Pop. A partir da segunda metade dos anos 70, com o surgimento das revistas Música e Somtrês, a crítica musical começou a se desenvolver e se profissionalizar. Porém o rock brasileiro daquela época era visto com desconfiança por parte dos críticos. Na década seguinte, o gênero passou ser valorizado graças ao alcance mercadológico e também de prestígio. Contudo tal valorização não se sustentou por muito tempo, tanto em mercado e prestígio quanto na crítica musical: não existia unanimidade dos críticos em relação ao rock brasileiro. Por outro lado, grupos que postulavam como undergrounds conquistaram a simpatia da imprensa musical. Após sucumbir a uma perda de espaço na mídia, entre o final dos anos 1980 e o ínicio da década de 1990, houve um abrandamento no tom da crítica especializada nesse gênero. Em suma, tratava-se da figura do crítico atuando como mediador entre os músicos e um público consumidor que o próprio crítico julgava ideal.pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.publisherPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.subjectCOMUNICAÇÃO DE MASSApt_BR
dc.subjectCRÍTICA MUSICALpt_BR
dc.subjectMÚSICA POPULAR BRASILEIRApt_BR
dc.subjectROCK - CRÍTICA E INTERPRETAÇÃOpt_BR
dc.subjectMÍDIA IMPRESSApt_BR
dc.titleO criticismo do rock brasileiro no jornalismo de revista especializado em som, música e juventude: da Rolling Stone (1972-1973) à Bizz (1985-2001)pt_BR
dc.typedoctoralThesispt_BR
dc.degree.grantorPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentFaculdade de Comunicação Socialpt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Comunicação Socialpt_BR
dc.degree.levelDoutoradopt_BR
dc.degree.date2011pt_BR
dc.publisher.placePorto Alegrept_BR
Appears in Collections:Dissertação e Tese

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
000429414-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo6,61 MBAdobe PDFOpen
View


All Items in PUCRS Repository are protected by copyright, with all rights reserved, and are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License. Read more.