Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/3722
Tipo: masterThesis
Título: Desafios de mobilidade enfrentados por idosos em seu meio
Autor(es): Fischer, Milena Abreu Tavares de Sousa
Orientador: Silva Filho, Irênio Gomes da
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica
Data de Publicação: 2011
Palavras-chave: MEDICINA
GERONTOLOGIA
ENVELHECIMENTO
ESPAÇOS URBANOS
INTERAÇÃO SOCIAL
MOBILIDADE SOCIAL
QUALIDADE DE VIDA
IDOSOS
Resumo: 
Introdução: A possibilidade dos idosos sairem de suas residências é forte indicador de independência, capacidade funcional e interação social. Esses parâmetros, por sua vez, têm sido identificados por diversos estudos como importantes preditores de morbidade e mortalidade nessa população e, por esse motivo, a diminuição da frequência de sair de casa pode estar associada com menor qualidade de vida. Objetivo: Verificar a frequência com que os idosos do município de Dois Irmãos - RS saem de casa, os fatores de saúde e ambientais associados. Metodologia: Estudo transversal, de base populacional, com idosos identificados por visitas domiciliares, residentes em endereços aleatoriamente selecionados na zona urbana do município de Dois Irmãos, de acordo com a metodologia utilizada pelo IBGE que divide os municípios em setores censitários. As variáveis ambientais urbanas foram avaliadas através do Relatório do Espaço Urbano Físico (REUF), instrumento criado para esse estudo, bem como a capacidade funcional e cognitiva através do Timed Up & Go Test (TUG), Montreal Cognitive Assessment (MoCA) e Escala de avaliação geriátrica de 15 questões (GDS-15).Resultados: Foram estudados 97 idosos com idade média de 71,0±7,8 anos, destes 30,2% costumam sair de casa com alta frequência e 40,2% com média frequência. A prevalência de idosos que saem com baixa frequência foi de 20,6% (IC 95% 13,4-29,3). Idosos viúvos, solteiros ou separados (P=0,008), com 80 anos ou mais de idade (P=0,011) e que estudaram até a 4a série (P=0,039) saem menos de casa. Dos idosos que saem de casa menos que duas vezes por semana 92,3% relataram dificuldade para usar o banheiro (RP=3,1 IC 95% 1,2-4,5), 52,6% relataram problema de equilíbrio (RP=3,0 IC 95% 1,5-6,2), 64,9% com dificuldade de locomoção (RP=2,1 IC 95% 1,7-5,1) e 100% relataram falta de ter com quem sair (RP=2,8 IC 95% 2,1-3,8). Nas áreas urbanas, problemas relatados pelos idosos tiveram razão de prevalência de 2,2 (IC 95% 1,4-3,46), 2,0 (IC 95% 1,23-3,34) e 1,96 (IC 95% 1,22-3,14) para poucas rampas, dificuldade com transporte coletivo e muitos degraus ou degraus altos demais, respectivamente. Conclusão: A dificuldade para usar o banheiro, problemas de equilíbrio, baixa escolaridade e ausência de companheiro foram os principais fatores independentes relacionados com confinamento em casa. Apesar dos fatores ambientais não terem significância estatística independente na análise da população geral, para aqueles com alguma dificuldade de mobilidade eles são muito importantes. Portanto, além de medidas preventivas de saúde para um envelhecimento ativo, ações de saúde pública e a orientação do planejamento urbano voltados à promoção da mobilidade são medidas de potencial impacto na capacidade e na frequência com que a crescente população idosa saia de casa.
URI: http://hdl.handle.net/10923/3722
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000431440-Texto+Parcial-0.pdfTexto Parcial251,5 kBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.