Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://hdl.handle.net/10923/4006
Registro completo de metadatos
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorBarberena, Ricardo Araujoen_US
dc.contributor.authorCastro, Daniel Fraga deen_US
dc.date.accessioned2013-08-07T19:00:36Z-
dc.date.available2013-08-07T19:00:36Z-
dc.date.issued2011pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10923/4006-
dc.description.abstractThe relationship between theater and literature can be studied through intertextuality, more specifically, the"anxiety of influence" of the american critic Harold Bloom. According to this theory of poetry, every reading is a “misreading”, an interpretation that departs from the text's meaning. Those who are strong readers can create their own meanings in the texts they read. In this view the procedure should be a twist of the literary text. The director must create their own meanings in the staging and free himself from the purely literary aspect of the work. To prove this, was given to three young directors a tale to be staged. The text of Franz Kafka"Those who pass us by running" requires creative force from the reader who should swerve it to be able to bring it on stage. The distance between the different scenes shows how the personal interpretation influences the scenic realization and, despite they are autonomous art forms, there is a threshold between them.en_US
dc.description.abstractO relacionamento entre teatro e literatura pode ser estudado através da intertextualidade, mais especificadamente, a “angústia da influência” do crítico norteamericano Harold Bloom. De acordo com esta teoria da poesia, toda leitura é uma desleitura, uma interpretação que desvia-se do sentido do texto. Leitores fortes são aqueles que conseguem criar seus próprios significados nos textos que leem. Conforme esta visão o procedimento teatral deve ser um desvio do texto literário. O encenador deve criar seus próprios significados na encenação e libertar-se do aspecto puramente literário da obra. Para comprovar isso, foi entregue a três jovens diretores um conto para ser encenado. O texto de Franz Kafka “Os que passam por nós correndo” exige força criativa por parte do leitor que deve desviar-se dele para poder concretizá-lo no palco. A distância entre as diferentes encenações comprova como a interpretação pessoal influi na realização cênica e, apesar de serem artes autônomas, há uma limiaridade entre elas.pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.publisherPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.subjectLITERATURApt_BR
dc.subjectTEATRO (LITERATURA)pt_BR
dc.subjectINTERTEXTUALIDADEpt_BR
dc.subjectKAFKA, FRANZ - CRÍTICA E INTERPRETAÇÃOpt_BR
dc.subjectPOESIA - HISTÓRIA E CRÍTICApt_BR
dc.titleO encenador teatral como leitor forte de Harold Bloompt_BR
dc.typemasterThesispt_BR
dc.degree.grantorPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentFaculdade de Letraspt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Letraspt_BR
dc.degree.levelMestradopt_BR
dc.degree.date2011pt_BR
dc.publisher.placePorto Alegrept_BR
Aparece en las colecciones:Dissertação e Tese

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción TamañoFormato 
000436726-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo796,8 kBAdobe PDFAbrir
Ver


Todos los ítems en el Repositorio de la PUCRS están protegidos por derechos de autor, con todos los derechos reservados, y están bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional. Sepa más.