Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://hdl.handle.net/10923/4347
Tipo: masterThesis
Título: Relação entre o comportamento agressivo e/ou violento e alterações na neuroimagem: revisão sistemática
Autor(es): Terra, Osmar Gasparini
Orientador: Costa, Jaderson Costa da
Editor: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde
Fecha de Publicación: 2009
Palabras clave: MEDICINA
NEUROCIÊNCIA
AGRESSIVIDADE
CÉREBRO - FISIOLOGIA
VIOLÊNCIA - ASPECTOS FISIOLÓGICOS
IMAGEM POR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Resumen: Estudos sobre a neurobiologia do comportamento violento sugerem que, em geral, altos níveis de agressão estão associados com anormalidades estruturais e funcionais do cérebro. Entretanto, a relação entre anormalidades cerebrais e agressão, ainda não foi sistematicamente estudada, mas são muitas as evidências de que o funcionamento anormal de diferentes regiões do cérebro possa estar associado com a agressão e psicopatia. Objetivo: Esse estudo teve como objetivo fazer uma revisão sistemática, de relatos da literatura, sobre anormalidades cerebrais e agressão, na tentativa de identificar as evidências disponíveis e desenvolver hipóteses para estudos futuros.Metodologia: Foram utilizadas as bases de dados do Medline e PsycINFO de 1987 a 2008, com intuito de identificar estudos que se referissem ao comportamento agressivo e/ou violento com evidências de anormalidades na neuroimagem. Foram utilizados os descritores "Aggression"[Mesh] OR "Violence"[Mesh] AND "Diagnostic Imaging"[Mesh], limitando-se aos estudos em seres humanos e aos trabalhos publicados em Inglês, Francês, Espanhol e Português. O termo violência foi usado em muitos dos artigos revisados, e em todo o texto usamos a terminologia dos autores, quando descrevem seus estudos e informam sobre seu desenho. Consideramos para esta revisão somente estudos de caso-controle ou de coorte. Na revisão fizemos um esforço buscando estudos que tivessem incluído pacientes com história de abuso na infância. Nos artigos selecionados, foi realizado o Teste de Relevância para definir a inclusão ou não do estudo nessa análise. Paralelamente foram avaliados dois outros grupos de estudos caso-controle: (1) com agressividade-violência “possível” ou “provável” e neuroimagem, (2) com agressividade-violência “explicitada” ou “possível”, mas que objetivavam estudos funcionais com ressonância magnética ou PET utilizando testes de ativação por imagem ou farmacológicos.Resultados: Nossa pesquisa identificou 30 estudos publicados (29 de caso-controle e 1 de coorte), sempre procurando encontrar a comparação de imagens cerebrais de pessoas violentas com não-violentas. Alguns resultados foram inconsistentes ou contraditórios. Tal circunstância é causada, primariamente, pela variação de definições de violência, característica dessas amostras, e pelo uso de diferentes medidas para explorar correlações neurobiológicas do comportamento violento. As amostras, nos estudos revisados, são geralmente pequenas. Alguns estudos não incluem uma comparação com grupos de pacientes saudáveis. Foi detectado somente 1 trabalho, entre os 30 avaliados, vinculando alterações cerebrais com exame de imagem e trauma na infância. Em relação aos exames de imagem do cérebro, em 29 dos 30 trabalhos selecionados evidenciaram alterações morfológicas e/ou funcionais de determinadas áreas do cérebro predominando nas pessoas com comportamento violento, quando comparadas aos grupos controles.Conclusão: Nossa revisão ressaltou que entre pessoas com comportamento violento e anti-social, quando comparadas com pessoas sem essa história, apresentam anormalidades cerebrais, estruturais e funcionais, em maior quantidade. A maior parte aparece nos lobos frontais, incluindo as áreas órbito-frontal, pré-frontal, e do cíngulo anterior, e em menor quantidade no lobo temporal, entre outras. Entretanto, devido à heterogeneidade dos trabalhos analisados, foi difícil estabelecer padrões e generalizar informações sobre alterações cerebrais, detectadas pelos exames de neuroimagem. Esses achados também indicaram a necessidade de futuros estudos, que considerem não somente a agressão e a persistência do comportamento agressivo, mas também o gênero do protagonista, além de história de abuso na infância, trabalhando com amostras maiores e mais homogêneas.
Studies of the neurobiology of aggression suggest that, in general, higher levels of aggression are associated with abnormal brain structure and function. However, the relationship between brain abnormalities and aggression has not been studied systematically, but several lines of evidence imply that abnormal function in brain different regions may be associated with aggression and psychopathy. Objective: The aim of our study was to systematically review the reported studies that addressed this topic – brain abnormalities and aggression – in an effort to clarify the available evidence and develop hypotheses for future studies.Methodological Issues: Medline and PsycINFO data bases from 1987 to 2008 was searched to identify studies of structural and functional brain imaging of persons who engaged in aggressive behavior. The term "violence" was used in many of the articles reviewed, and throughout we use the authors' terminology when describing each study and report the study design. We considered for this review only case-control or cohort studies. In conducting the review, we made an effort to distinguish those studies that included patients with child abuse history. Also, we evaluate case-control studies with (1) aggression-violence “possible” or “probable” and (2) functional studies with functional MRI or PET which include activation task of patients with certain or probable aggressive behavior.Results: Our search identified 30 published studies (29 case-control and 01 cohort) comparing structural brain imaging of violent and nonviolent persons. Some results are inconsistent and contradictory. This situation is primarily due to varying definitions of violence, characteristics of the samples, and the use of different measures to tap neurobiological correlates of violent behavior. The samples in the studies reviewed were generally small, for instance some studies did not include a comparison group of healthy participants. Conclusion: In conclusion, our review highlights evidence that among people with violent or antisocial behavior as compared with those with no such history, had abnormalities in different brain areas most in the frontal lobes including the orbito-frontal, pre-frontal and anterior cingulated cortex among others. These findings also indicate the necessity of future researches taking account not only of the onset and persistence of the aggressive behavior but also gender of the protagonist, child abuse history and larger and more homogeneous samples.
URI: http://hdl.handle.net/10923/4347
Aparece en las colecciones:Dissertação e Tese

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción TamañoFormato 
000436292-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo785,97 kBAdobe PDFAbrir
Ver


Todos los ítems en el Repositorio de la PUCRS están protegidos por derechos de autor, con todos los derechos reservados, y están bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional. Sepa más.