Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10923/4639
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorFiori, Renato Machadoen_US
dc.contributor.authorSilveira, José Luiz Saldanha daen_US
dc.date.accessioned2013-08-07T19:06:27Z-
dc.date.available2013-08-07T19:06:27Z-
dc.date.issued2006pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10923/4639-
dc.description.abstractBackground: Invasive Group B Streptococcal disease emerged in the 1970s as a leading cause of neonatal morbidity and mortality in the United States, and in the last 20 years has remained as the main cause of early-onset disease, meningitis and pneumonia among neonates. Since 1992, the American Academy of Pediatrics, the American College of Obstetricians and Gynecologists, and the Center for Disease Control and Prevention issued revised guidelines recommending universal screening of pregnant women for rectovaginal Group B Streptococcal colonization at 35-37 weeks’ gestation and administering intrapartum antimicrobial prophylaxis to carriers at delivery. Methods: It was a cross sectional study. Vaginal and rectal material was collected by sterile swab. Stuart broth media was used and samples were analyzed by PCR within 72 hours in the Centro de Biologia Genômica e Molecular – PUCRS and Centro de Pesquisas, Serviço de Patologia Clínica do HCPA – UFRGS. The sample was cultured in Brain Heart Infusion plus 8 bg/ml of gentamicin and 15 bg/ml of nalidixic acid medium. After that DNA was extracted and PCR was done. Prevalence ratio was used as risk measure. Data were expressed as proportion and respective 95% confidence interval. Quisquare as well as exact Fisher test was used to evaluate the strength of association among variables. Results: 121 women were analyzed and 28 of them had positive PCR for group B streptococci (23,1% IC95% 16,0 – 31,7). There were no associations between the dependent variable, positive group B streptococci, and the other independent variables tested. The association with previous abortion showed a p=0. 05. Conclusions: The study detected a high rate of prevalence of colonization by EGB in this population, similar to the prevalence described by the international literature. This new method has the potential to be utilized in screening prenatal programs.en_US
dc.description.abstractIntrodução: a doença invasiva pelo estreptococo do grupo B (EGB) emergiu como a principal causa de mortalidade e morbidade no período neonatal nos Estados Unidos da América do Norte em 1970, e durante os últimos 20 anos tem-se mantido como a principal causa de sepsis de início precoce, meningite e pneumonia entre recém-nascidos. Em 1992, a Academia Americana de Pediatria, o Colégio Americano de Obstetrícia e Ginecologia e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças nos Estados Unidos da América recomendaram a adoção de medidas baseadas na pesquisa ativa para identificação das gestantes colonizadas pelo estreptococo do grupo B, e correspondente quimioprofilaxia no momento do parto. Objetivos: Relatar a prevalência da colonização materna pelo estreptococo do grupo B nas gestantes atendidas no Serviço de Saúde da Mulher em Uruguaiana (RS), medir a freqüência de exposições e relatar a estimativa de risco através da razão de prevalência. Métodos: O trabalho teve um delineamento transversal contemporâneo. A coleta do material foi realizada através de swab combinado vaginal e anal. O material coletado foi mantido em meio de Stuart e encaminhado para análise por PCR no Centro de Biologia Genômica e Molecular da PUCRS e no Centro de Pesquisas, Serviço de Patologia Clínica do HCPA da UFRGS em até 72 horas. Eram então inoculadas em meio seletivo Brain Heart Infusion, suplementado com 8 µg/ml de gentamicina e 15 µg/ml de ácido nalidíxico. Posteriormente era extraído o DNA das culturas e estes submetidos a PCR. A razão de prevalência foi utilizada como medida de risco. Os dados foram expressos como percentual e respectivos intervalos de confiança no nível de 95% (∞=0,05). A força de associação entre as variáveis foi submetida a análise utilizando-se o teste do X² e teste exato de Fischer, quando apropriado. Resultados: 121 pacientes foram incluídos no estudo, sendo que 28 destes apresentaram PCR positiva para o estreptococo do grupo B (23,1% - IC95% 16,0 – 31,7). Não foram detectadas associações entre a variável dependente, EGB positiva, e as variáveis independentes testadas. A associação com aborto prévio apresentou um p=0,05. Conclusões: o estudo detectou uma prevalência alta de colonização das gestantes por EGB nesta população, similar à descrita na literatura internacional. Este novo método tem o potencial de utilização em programas de triagem pré-natal.pt_BR
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.publisherPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.subjectMEDICINApt_BR
dc.subjectPEDIATRIApt_BR
dc.subjectCOMPLICAÇÕES NA GRAVIDEZpt_BR
dc.subjectINFECÇÕES ESTREPTOCÓCICASpt_BR
dc.subjectSEPSEpt_BR
dc.titlePrevalência do Streptococcus agalactiae em gestantes detectada pela técnica de reação em cadeia da polimerase (PCR)pt_BR
dc.typemasterThesispt_BR
dc.degree.grantorPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentFaculdade de Medicinapt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Pediatria e Saúde da Criançapt_BR
dc.degree.levelMestradopt_BR
dc.degree.date2006pt_BR
dc.publisher.placePorto Alegrept_BR
Appears in Collections:Dissertação e Tese

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
000384827-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo444,34 kBAdobe PDFOpen
View


All Items in PUCRS Repository are protected by copyright, with all rights reserved, and are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License. Read more.