Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10923/5159
Type: doctoralThesis
Title: A ressignificação da vida cotidiana a partir da aposentadoria e do envelhecimento
Author(s): Kunzler, Rosilaine Brasil
Advisor: Bulla, Leonia Capaverde
Publisher: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Graduate Program: Programa de Pós-Graduação em Serviço Social
Issue Date: 2009
Keywords: SERVIÇO SOCIAL
GERONTOLOGIA SOCIAL
ENVELHECIMENTO - ASPECTOS SOCIOCULTURAIS
APOSENTADORIA - ASPECTOS PSICOLÓGICOS
Abstract: The demographic aging phenomenon has been gradually increasing in Brazil. The new conceptions and characteristics of this time of life transform the experience of retirement in a moment more attainable for men and women. If before retirement they are socialized, prepared and demanded culturally and economically in order to perform their work destiny, after the dismissal from the labor occupation men and women over 60 years are faced with the challenge of remeasure their personal motivations to the new conditions that are socially imposed: old age and retirement. This research has the objective of investigating the process of crossing from the condition of active worker to retired worker, and what are the resignifications that old aged men and women give to their lives on the retirement period. To make a profound study, these themes were theoretically observed: aging, work, retirement and quotidian. The research is guided by the critical-dialectic method, highlighting these analysis categories: totality, historicity and contradiction. A semi-structured interview and unsystematic observation were done in order to accomplish the data collection. Due to the fact that this is a gender study, 60 subjects were interviewed – 30 women between the ages of 60 to 96 years old, and 30 men between the ages of 66 to 80 years old. They were all retired due to the time of work, and they belong to different social, economical and cultural realities. They were all residents of the urban part of the city of Porto Alegre/RS. The content analysis method was used to evaluate the data collected, based on Gagneten (1987). In the analysis of the experiences and significations of retirement to men and women, it was possible to verify the ambiguity of feelings like joy, sadness, frustration, relief and loss. This study points out that, for the men, to stop working, to be distant of the friendships acquired in the work and the recognition of their productive value are the most identified ruptures considered as unavoidable losses that come with aging. For the elder women interviewed, the retirement phase is lived as a positive experience because, as she retires, she can retrieve the possibility of taking back the life in a space that has been always hers: the home. For both gender, the loss of friends and close relatives reduces the circle of friends, making possible to many elders feel lonely, reserved or isolated. This is because in most of the cases the descendents already have their own daily occupations and the elder is not always included in the objectives or priorities of the family. Both gender highlight, among the conquests of aging, retirement, life experience, free time, the possibility of becoming grandparents, self knowledge, remarriage, volunteering and return to study. As challenges of aging they point out widowhood, loneliness, diseases and locomotion difficulties. There are many strategies of standing up to reorganize the plans and projects of life and quotidian, and they are related with the socio-economic situation of each elder. These distinct realities lived by the elders contribute to the aging and retirement period to become processes of intense changing in which the acceptance and adaptation will depend on the way each one chose to live them.
O fenômeno do envelhecimento demográfico vem se acentuando gradativamente no Brasil. As novas concepções e características próprias dessa fase transformam a experiência da aposentadoria um momento cada vez mais atingível para homens e mulheres. Se antes, socializados, preparados e exigidos, cultural e economicamente, para cumprir o seu destino de trabalhador, após o afastamento da ocupação laboral e com a realidade da aposentadoria, homens e mulheres a partir dos 60 (sessenta) anos se veem desafiados a redimensionar as motivações pessoais às novas condições socialmente impostas: a aposentadoria e a velhice. A pesquisa tem por objetivo principal investigar como se processa a passagem da condição de trabalhador ativo a trabalhador aposentado e que ressignificados dão às suas vidas homens e mulheres idosos(as) na aposentadoria. Para aprofundar essas questões, contemplaram-se teoricamente os seguintes temas: envelhecimento, trabalho, aposentadoria e cotidiano. A pesquisa é norteada pelo método dialético-crítico, ressaltando-se às categorias de análise: totalidade, historicidade e contradição. Para a coleta de dados utilizou-se a entrevista semiestruturada e a observação assistemática. Por se tratar de um estudo de gênero, foram entrevistados 60 (sessenta) sujeitos, sendo 30 (trinta) homens e 30 (trinta) mulheres, na faixa etária dos 60 (sessenta) a 96 (noventa e seis) anos de idade as mulheres e dos 66 (sessenta e seis) a 80 (oitenta) anos de idade os homens. Todos(as) aposentados(as) por tempo de serviço, pertencentes a diferentes realidades sociais, econômicas e culturais e residentes no meio urbano do município de Porto Alegre/RS. Na avaliação dos dados, utilizou-se o método de análise de conteúdo, com base em Gagneten (1987).Na análise das experiências e significados da aposentadoria para homens e mulheres idosas constatou-se uma ambiguidade de sentimentos como: alegria, tristeza, frustração, alívio e perda. O estudo revela que, entre os homens, o desligamento do trabalho, o distanciamento das amizades conquistadas nesse ambiente e o reconhecimento de seu valor produtivo são os rompimentos mais identificados, considerados como perdas inevitáveis que chegam com o envelhecimento. Entre as mulheres idosas entrevistadas, a fase da aposentadoria é vivida como uma experiência positiva, à medida que, ao aposentar-se, resgata a possibilidade de retomar sua vida dentro de um espaço que sempre foi de seu domínio: o lar. Para ambos os gêneros, a perda de amigos e parentes próximos reduz o círculo de amizades, fazendo com que muitos idosos se sintam solitários, retraídos ou isolados, pois, na maioria dos casos, os descendentes possuem seus afazeres cotidianos próprios e o idoso nem sempre está incluído nos objetivos ou prioridades da família. Entre as conquistas da velhice para ambos os gêneros destacam-se: aposentadoria, experiência de vida, tempo livre, a possibilidade de tornarem-se avós, autoconhecimento, recasamento, voluntariado e o retorno aos estudos. Como desafios da velhice constataram-se: viuvez, solidão, surgimento de doenças e a dificuldade de locomoção. As estratégias de enfrentamento para a reorganização dos planos e projetos de vida e do cotidiano são múltiplas e estão relacionadas com a situação socioeconômica de cada idoso(a). Essas realidades distintas vividas entre os idosos(as) contribuem para que as fases da velhice e da aposentadoria sejam processos de intensas mudanças, em que a sua aceitação e a sua adaptação dependerão da maneira como cada um optou por vivenciá-las.
URI: http://hdl.handle.net/10923/5159
Appears in Collections:Dissertação e Tese

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
000411382-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo1,1 MBAdobe PDFOpen
View


All Items in PUCRS Repository are protected by copyright, with all rights reserved, and are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License. Read more.