Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/5308
Tipo: masterThesis
Título: Comparação entre peçonhas de víboras do gênero Bothrops da região meridional, com espécies similares do Brasil central, para avaliação do grau de toxicidade (reptilia, serpentes)
Autor(es): Terra, Angelo Laurence Covatti
Orientador: Lema, Thales de
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Zoologia
Data de Publicação: 2005
Palavras-chave: ZOOLOGIA
HERPETOLOGIA
SERPENTES
ANIMAIS PEÇONHENTOS
Resumo: Foram analisadas amostras de veneno em forma de “pool”, extraídos de duas espécies de Bothrops (B. alternatus, B. jararaca). O “pool” regional foi composto de venenos exclusivamente do Rio Grande do Sul coletados de exemplares provenientes de várias partes do estado. O “pool” nacional foi composto de venenos de exemplares provenientes, principalmente, de São Paulo e adjacências (estados de Espírito Santo, Minas Gerais e Paraná) e usado como veneno-referência. Foram analisadas: atividade letal; ação proteolítica sobre caseína; enzimas fosfolipásicas; ação coagulante no plasma humano; dosagem da quantidade de proteínas; e perfil eletroforético. As análises entre as amostras foram feitas comparando-se as ações bioquímicas e a composição protéica entre as espécies que compõe cada “pool”, bem como inter regionalmente, entre os “pools”. Quando comparadas pela eletroforese, as amostras regionais apresentaram particularidades quanto à composição protéica do veneno compartilhando miotoxinas fosfolipásicas com 14 KDa, que são pouco observadas nas amostras do “pool” nacional sugerindo ser esta ação mais “regionalizada” para estas peçonhas. Entretanto, observam-se outras fosfolipases miotóxicas com peso molecular diferente (16KDa) presente em todas as amostras, sugerindo a similaridade bioquímica ainda compartilhada, apesar das diferenças regionais entre as amostras. Também se verificou maior atividade fosfolipásica e teor protéico nas amostras regionais. O “pool” regional teve maior atividade proteolítica e coagulante no plasma quando comparado com o “pool” nacional, reforçando a possibilidade de maior toxicidade no “pool” regional.
Were analyzed poison samples as a pool from different proceedings, one from Rio Grande do Sul area, South Brazil (regional pool), and another mainly from São Paulo area, Central Brazil (national pool). The national pool was made by venom samples from Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo and Paraná states. Were analyzed: lethal, proteolytic (on casein), coagulant (on human plasma), and phospholipasic enzyme activities, the quantity of protein and the electrophoretic patterns were analyzed too. The analyses between the samples were made by comparison of biochemical actions and protein composition into a species, and inter-regionally between the pools. The comparison by electrophoresis, regional samples showed particularities in their venom protein composition sharing phospholipasic miotoxinas, with 14 KDa, that were poorly observed in the national pool, suggesting this action been more regionalized for this venom. However, we can observe miotoxic phospholipases, with different molecular weigh (16 KDa), present in all of the samples, suggesting a biochemical similarity still shared although the regional differences between the samples. The major phospholipasic activity and protein quantity were verified in regional samples. The regional pool has more proteolytic and coagulant activities, when we compare with the national pool, that’s reinforces the possibility of those actions were more regionalized in B. alternatus and B. jararaca venoms.
URI: http://hdl.handle.net/10923/5308
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000383111-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo303,52 kBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.