Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/6728
Tipo: doctoralThesis
Título: Autopercepção do envelhecimento, autoimagem corporal, autopercepção de saude e morbidades prevalentes em idosos
Autor(es): Rocha, Laura Maria Brenner Ceia Ramos Mariano da
Orientador: Terra, Newton Luiz
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica
Data de Publicação: 2014
Palavras-chave: MEDICINA
GERONTOLOGIA
IMAGEM CORPORAL
ENVELHECIMENTO
IDOSOS
GERIATRIA
Resumo: Self Perception of aging is a good indicator of successful aging. Studies on perception of aging have shown that a young subjective age and a high satisfaction with aging are associated with good health, high levels of wellbeing and few medical symptoms. The Aging Perception Questionnaire (APQ) is composed by 32 questions and evaluates self-perception of aging from distinct domains involving opinions about one’s own aging process. There is no such a scale in Brazil up to date. The validation process of the APQ was performed with a sample of 402 individuals, from 60 to 104 years of age (68,3 ±7,4), specially women(59,2%). Confirmatory factor analysis demonstrated good adequacy of the Brazilian instrument. The internal consistency of the original data, presented an index of 0. 889, indicating that the sample size is adequate for the application of the technique. The internal consistency of each dimension was also observed ranging from 0. 555 to 0. 831.The positive control and positive consequences were the dimensions that stood out in this population, with statistically significant values (p < 0. 001), reflecting the perception of individuals to aggregate positive aspects and to have control over their own aging. Diabetes mellitus and depressive mood showed statistically significant levels when associated with the APQ. Body image satisfaction can influence behavior of individuals improving their performance in physical and social terms. On the other hand, physical disabilities resulting from aging also affect the perception of body image. Body satisfaction was observed in this work through the Stunkard Nine Figure Scale, in which individuals choose the figure that look more like his/her actual body image and the figure he/she believes that more closely resembles his/her ideal body image. A difference between the two figures demonstrates dissatisfaction with body image. Most respondents (67. 2 %) reported being dissatisfied with their body image. The presence of obesity was significantly associated with body dissatisfaction (p<0,001), as well as depressive mood. There was also a trend towards a significant association with the presence of hypertension (0. 087) and DM (0. 056). In the analysis of the perception of aging and satisfaction with body image there is evidence that the group not satisfied with their body image is more inclined to believe that aging has a negative impact on their life. Self perceived health status was determined by a simple question (In general, how do you consider your health). In this sample, the majority reported having regular health (54. 8 %) and only 6. 1 % said they have great health. There was a significant association between perception of poor/bad health with the presence of DM, where 41. 9 % (n = 13) of the individuals with this perception had DM (p < 0. 05). There was also a relevant relationship with poor / very poor perception of health with obesity (p < 0. 05), cardiovascular disease (p <0. 05) and depressive mood (p < 0. 001). In the analyses of the relationship between perception of aging and self perceived health, individuals with poor / bad and good / fair health appeared more inclined to believe that getting older makes it harder in their lives, compared to the group with great health perception.
A auto percepção do envelhecimento é um bom indicador de um envelhecimento bem sucedido. Estudos abordando a percepção sobre envelhecimento mostram que uma idade subjetiva jovem e uma alta satisfação com o envelhecimento estão associadas à boa saúde, altos níveis de bem estar e poucos sintomas médicos. O questionário de auto percepção do envelhecimento (QAPE) é composto por 32 questões e avalia a auto percepção do envelhecimento a partir de domínios distintos envolvendo opiniões sobre o próprio envelhecimento. Não dispomos no Brasil de uma escala de aferição a que se propõe o QAPE. O processo de validação do QAPE contou com a participação de 402 idosos, entre 60 e 104 anos(68,3 ±7,4), na maioria mulheres(59,2%). A análise fatorial confirmatória demonstrou boa adequação do instrumento brasileiro. A consistência interna dos dados originais apresentou um índice igual a 0,889, indicando que o tamanho amostral está adequado para a aplicação da técnica. A consistência interna de cada uma das dimensões também foi verificada variando de 0,555 a 0,831.As dimensões controle positivo e conseqüências positivas foram as que mais se destacaram nesta população, com valores significativos estatisticamente (p<0,001), refletindo a percepção dos indivíduos de agregarem aspectos positivos e terem um controle sobre seu próprio envelhecimento. O diabete mellitus e o humor depressivo demonstraram índices significativos estatisticamente quando associados a APE. A satisfação com a imagem corporal pode influenciar comportamentos dos indivíduos melhorando o seu desempenho em termos físicos e sociais. Por outro lado, as incapacidades físicas resultantes do envelhecimento, também afetam a percepção da imagem corporal. A satisfação corporal foi verificada neste trabalho através da Escala de Nove Silhuetas de Stunkard, no qual o indivíduo escolhe a silhueta que considera mais semelhante a sua imagem corporal real e também a silhueta que acredita ser mais semelhante à imagem corporal ideal. Uma diferença entre as duas figuras comprova uma insatisfação com a imagem corporal. A maioria dos entrevistados (67,2%) referiu estar insatisfeito com sua imagem corporal. A presença de obesidade mostrou-se significativamente associada a insatisfação corporal (p<0,001), assim como a presença de humor depressivo. Houve também uma tendência de associação significativa com a presença de hipertensão(0,087) e DM(0,056). Na análise da percepção de envelhecimento e satisfação com imagem corporal há evidências de que, o grupo não satisfeito com sua imagem corporal está mais inclinado a acreditar que o envelhecimento tem um impacto negativo em sua vida. A auto percepção de saúde foi determinada por meio de uma simples pergunta (De uma maneira geral, como você considera sua saúde). Nesta amostra, a maioria referiu ter uma saúde regular (54,8%) e apenas 6,1% disseram ter uma saúde ótima. Houve associação significativa da percepção de saúde má/péssima com a presença de DM, onde 41,9%(n=13) dos investigados com esta percepção apresentaram DM(p<0,05). Ainda verificou-se que se mostraram relacionadas de forma relevante com a percepção má/péssima as condições de obesidade .
URI: http://hdl.handle.net/10923/6728
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000459734-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo4,01 MBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.