Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://hdl.handle.net/10923/7613
Tipo: masterThesis
Título: Estudo das habilidades de enfrentamento e da autoeficácia para a abstinência em dependentes de crack
Autor(es): Souza, Márcia Cristina Henrique de
Orientador: Oliveira, Margareth da Silva
Editor: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Psicologia
Fecha de Publicación: 2015
Palabras clave: PSICOLOGIA
PSICOLOGIA CLÍNICA
TRANSTORNOS RELACIONADOS AO USO DE SUBSTÂNCIAS
COCAÍNA - ASPECTOS PSICOLÓGICOS
COCAÍNA CRACK
Resumen: The advent of crack cocaine has become worrying in the eyes of society and public health. The Science has been interested in the study of the phenomenon and also in the development of treatment approaches. In this sense, it is important to identify and anticipate what would be possible risk situations and how confident they feel users to follow and avoid relapse. This dissertation aims to study the coping skills and self-efficacy for abstinence in crack cocaine users through four studies. The first is entitled "Coping Skills and Self-efficacy in Abstinence Crack cocaine: A Literature Review". This study reviewed the scientific publications of the last five years (2010-2014), indexed in PubMed, PsycInfo, Lilacs, Proquest and Web of Science. The descriptors were coping skills, self-efficacy, abstinence, relapse prevention, drug abuse and crack cocaine. The descriptors in the English language were surveyed coping skills, self-efficacy, abstinence, relapse prevention, drug abuse and crack cocaine. Few were found specific articles to crack cocaine: parenting styles and the influence on coping skills, craving and crack cocaine and coping resources in women. It was concluded that the time of abstinence, coupled with appropriate approaches and self-efficacy can help in the positive treatment outcome. The crack cocaine, with its own characteristics, leads to many losses, but the cognitive improvement is possible, given the time of abstinence. Studies on coping skills and self-efficacy are relevant in the crack cocaine of the abstinence of context, but still incipient. The second study,"Coping and Self-efficacy Skills for Abstinence in Dependent Crack Cocaine", evaluated the coping skills and self-efficacy in the context of the crack cocaine abstinence in 189 subjects. This is a quantitative, descriptive and correlational with cross-sectional design. The sample consists of women: 44. 4% (n = 84) and men: 55. 6% (n = 105), aged 19 to 59 years and up to 5 years of formal schooling. Chi-square tests of Pearson and Fisher exact tests were used, the Student t and Mann Whitney test for variables with asymmetric distribution and analysis of variance (Two way) - Post Hoc Sheffe. The level of significance is 5%. The average age is 31. 7 years, 58. 3% (n = 109) has primary and economic classification for Brazil demonstrated Criterion is the class "C" (49. 02%). The resulting mean Mini-Mental State Examination (MMSE) is higher in males (26. 8 ± 2. 6).In Factor 6 (Escape and Evade) the Coping Strategies Inventory occurred in females, significant correlation with Factor 2 (Feeling Expression) of Anticipatory Coping Inventory for Abstinence (IDHEA) (r = -0. 250; p = 0. 022). There are significant and positive correlations, especially among the factors 1 and 2 of IDHEA (Assertiveness and Feeling Expression) with all the factors of Self-efficacy Scale for Abstinence (EAAD) including your total score. Among the coping strategies and self-efficacy for abstinence EAAD in women, no significant correlations, and in men there is a positive correlation between self-efficacy factor for EAAD abstinence and the factors of coping strategies (Self and Resolution problems). It was found that women are more vulnerable to the use of crack cocaine and use more the Coping Strategies. More confident men are more self-controlled and have greater availability to solve problems. There are few studies that correlate the constructs presented in this study. The third study, titled "Relationship between Coping and the Abstinence Time Dependent on Crack Cocaine", correlated the Coping Strategies and the time of abstinence in men and women with severe disorder in crack cocaine use in treatment. This is a quantitative, descriptive and correlational with cross-sectional design and the sample consisted of 189 subjects: 84 women (44. 4%) and 105 men (55. 6%). Participants aged 19 to 59 have at least 5 years of formal study. The average age of age of 31. 7 (± 8. 8) years, have low school level and family income between 1 and 2 minimum wages (68. 8%). The comparison of categorical variables in both groups occurred by chi-square tests of Pearson and Fisher exact. The significance level of 5% was adopted. The withdrawal period of 60 days was observed in 64. 0% (n = 121). In assessing the Coping Strategies average higher in females, were Factor 1 (Head) (Men: 1. 4 ± 0. 6 vs. Women: 1. 6 ± 0. 6; p = 0. 05); Factor 4 (Social Support) (Men: 1. 6 ± 0. 7 vs. Female: 2. 0 ± 0. 7; p = 0. 001); Factor 6 (Escape and Evade) (Men: 1. 5 ± 0. 7 vs. Women: 1. 8 ± 0. 7; p = 0. 014); Factor 5 (Liability of Acceptance) (Men: 1. 9 ± 0. 7 vs. Women: 2. 1 ± 0. 6; p = 0. 011); and Factor 8 (positive reappraisal) (Men: 1. 6 ± 0. 6 vs. Women: 2. 0 ± 0. 7; p <0. 001). Strategies for Coping correlated to the time of abstinence and sex, had a single significant effect on Factor 5 (Liability of Acceptance) for interaction between sex and abstinence time (F1, 189 = 5. 318, p = 0. 022, power = 0. 631 ). There was borderline significance in Factors 3 (Self) (F1, 189 = 4. 064, p = 0. 072, power = 0. 631) and 4 (Social Support) (F1, 189 = 4. 031, p = 0. 072, power = 0. 615). Was no effect for sex factor evidenced for Factors 1 (Head) (F1, 184 = 8. 357, p = 0. 004, power = 0. 820); 3 (Self) (F1, 184 = 4. 450, p = 0. 036, power = 0. 555); 4 Social Support (F1, 189 = 5. 574, p = 0. 001, power = 0. 931); 6 (Escape and Evade) (F1, 184 =; p = 0. 011, power = 0. 724); and 8 (positive reappraisal) (F1, 184 = 5. 611, p <0. 001, power = 0. 953). Women have higher scores on Coping, regardless of the length of abstinence. Women with up to 60 days of abstinence have higher Acceptance of Responsibility (Factor 5 / Coping), and over 60 days decreased the Self (Factor 3 / Coping). Men over 60 days of abstinence increased social support (Factor 4 / Coping) in the group with less than 60 days. Differences in Coping strategies found between men and women in each withdrawal time range were not representative in this study. The fourth and final study,"Coping Skills, Self-efficacy and Crack Cocaine the Abstinence Time for Women", aimed to outline a dependent crack cocaine profile in women admitted in Therapeutic Communities, correlated variables Anticipatory Coping, Self-efficacy, Coping Strategies and abstinence time. This is a quantitative, descriptive and correlational with cross-sectional design. The sample is composed of 84 women. The distribution normality was verified using the Kolmogorov-Smirnov test with Lillifors correction, the relationship of linearity between the instruments was estimated using Pearson correlation coefficient and the comparative analysis by Student's t test. Statistical decision criteria we adopted the significance level of 5%. The results were 31. 6 (± 9. 1) years as the average age and low education in 57. 1% (n = 48). Until intern, 40. 5% (n = 34) of participants worked and 48. 9% (n = 41) were classified as class "C" by Criterion Brazil. The 60 days of abstinence period was 62. 9% (n = 66) and mean number of days without the use of drugs is 181. 6 (± 294. 7) days. Regarding the use of other substances, there was the association of crack cocaine to other drugs (alcohol 23. 8%, 17. 9% marijuana, cocaine 44. 0% The weighted average of the results found in the cognitive screening by Intelligence Scale. Wechsler Adult (WAIS) were. cubes 11. 4 (± 3. 0); Codes 9. 1 (± 2. 4) and Digits 11. 4 (± 3. 3) the average score in the Mini State Examination mental (MMSE) is 25. 8 in the evaluation of self-efficacy (EAAD), the highest average score occurred in Factor 3 (trust not use crack cocaine front of concerns: 3. 6 ± 1. 1).And the lowest in Factor 2 (trust not use crack cocaine to see others using: 3. 2 ± 1. 3). In assessing the anticipatory coping strategies to abstinence from crack cocaine (IDHEA), the highest scores are the factors 1 (Assertiveness and planning for high-risk situations: 2. 3 ± 0. 8) and 2 (positive sense of expression for abstinence maintenance: 2. 3 ± 0. 6), and the lowest mean score was the factor 3 (emotional Self-Control in situations adverse: 2. 0 ± 0. 8). The mean scores in coping strategies ranged between 1. 6 and 2. 1 points, and the established maximum score is 3 points. The maximum occur in the Acceptance of Responsibility (Factor 5 / Coping) (2. 1 ± 0. 6), the Social Support (Factor 4 / Coping) (2. 0 ± 0. 7) and positive reappraisal (Factor 8 / Coping) (2. 0 ± 0. 7). The minimum scores occur in the Head (Factor 1 / Coping) (1. 6 ± 0. 6) and Self (Factor 3 / Coping) (1. 6 ± 0. 6). Regarding the correlation of the instruments Coping strategies and anticipatory coping (IDHEA), it was found that Factor 1 IDHEA (Assertiveness and planning for high-risk situations) estimated significant correlations, positive of low degree with the strategies Coping Social Support (Factor 4 / Coping) (r = 0. 221; p = 0. 043), Responsibility Acceptance (Factor 5 / Coping) (r = 0. 258; p = 0. 018), Resolution Problems (Factor 7 / Coping) (r = 0. 269, p = 0. 013) and positive reappraisal (Factor 8 / Coping) (r = 0. 291; p = 0. 007); pointing out that high scores on Factor 1 IDHEA (Assertiveness and planning for high-risk situations) show up also correlated with high scores on factors of coping strategies. The most significant correlations between coping and anticipatory coping strategies are in emotional self in adverse situations (Factor 3 / IDHEA) and Social Support (Factor 4 / Coping) (r = -0. 294; p = 0. 007), Responsibility Acceptance (Factor 5 / Coping) (r = -0. 232; p = 0. 034), Problem Resolution (Factor 7 / Coping) (r = -0. 311; p = 0. 004), and positive reappraisal (Factor 8 / Coping) (r = -0. 375; p <0. 001). The Coping strategies and self-efficacy for abstinence vary independently in females. The average in Factor 2 Coping (Pitch) (1. 6 ± 0. 6) of participants up to 60 days of abstinence was higher (p = 0. 026). There was borderline significance (0. 05 <p <0. 10) in Factor 5 / Coping (Liability of Acceptance) (p = 0. 056) suggesting that the group average up to 60 days of abstinence (2. 3 ± 0. 6) may be showing higher compared to the group over 60 days of abstinence (2. 0 ± 0. 7). We conclude that self-efficacy is associated with proactive coping strategies, and see other people using drugs are considered the most critical factor. Women with emotional control can reframe experiences and seek social support. It is considered the need for further research into anticipatory coping skills and self-efficacy in women who use crack cocaine. This work may stimulate further studies on coping skills and self-efficacy in the crack cocaine of context.
O advento do crack tornou-se preocupante aos olhos da sociedade e da saúde pública. A ciência tem se interessado no estudo do fenômeno e também no desenvolvimento de abordagens de tratamento. Nesse sentido, torna-se relevante identificar e antecipar o que seriam possíveis situações de risco e o quão confiantes sentem-se os usuários para seguir e evitar a recaída. Esta dissertação objetiva estudar as habilidades de enfrentamento e a autoeficácia para a abstinência em usuários de crack através de quatro estudos. O primeiro tem o título de “Habilidades de Enfrentamento e Autoeficácia na Abstinência do Crack: uma Revisão Bibliográfica”. Neste estudo foram revisadas as publicações científicas dos últimos cinco anos (2010-2014), indexados nas bases de dados PubMed, PsycInfo, Lilacs, Proquest e Web of Science. Os descritores foram habilidades de enfrentamento, autoeficácia, abstinência, prevenção à recaída, abuso de drogas e crack. Foram pesquisados os descritores em língua inglesa coping skills, self-efficacy, abstinence, relapse prevention, drug abuse and crack cocaine. Foram encontrados poucos artigos específicos ao crack: estilos parentais e a influência nas habilidades de enfrentamento, craving e crack e recursos de enfrentamento em mulheres. Concluiu-se que o tempo de abstinência, associado com abordagens adequadas e a autoeficácia podem ajudar no desfecho do tratamento. O crack, com suas características próprias, causa diversos prejuízos, porém a melhora cognitiva é possível levando-se em conta o tempo de abstinência. Estudos sobre habilidades de enfrentamento e autoeficácia são relevantes no contexto da abstinência do crack, porém ainda incipientes.O segundo estudo, “Habilidades de Enfrentamento e Autoeficácia para a Abstinência em Dependentes de Crack”, avaliou as habilidades de enfrentamento e a autoeficácia no contexto da abstinência do crack em 189 sujeitos. Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo e correlacional com delineamento transversal. A amostra é constituída de mulheres: 44,4% (n=84) e homens: 55,6% (n=105), com idades entre 19 e 59 anos e com até 5 anos de escolaridade formal. Foram utilizados os testes Qui-Quadrado de Pearson e Exato de Fisher, o t-Student e de Mann Whitney para as variáveis com distribuição assimétricas e a análise de variância (Two way) – Pos Hoc Sheffe. O nível de significância é de 5%. A média de idade é 31,7 anos, 58,3% (n=109) tem ensino fundamental e a classificação econômica pelo Critério Brasil demonstrada é a classe “C” (49,02%). A média resultante do Mini Exame do Estado Mental (MEEM) é mais elevada no sexo masculino (26,8±2,6). No Fator 6 (Fuga e Esquiva) do Inventário de Estratégias de Coping ocorreu, no sexo feminino, correlação significativa com o Fator 2 (Expressão de Sentimento) do Inventário de Enfrentamento Antecipatório para a Abstinência (IDHEAA) (r=-0,250; p=0,022). Há correlações significativas e positivas, principalmente entre os Fatores 1 e 2 do IDHEAA (Assertividade e Expressão de Sentimento) com todos os fatores da Escala de Autoeficácia para a Abstinência (EAAD) incluindo seu escore total. Entre as estratégias de Coping e a autoeficácia para a abstinência (EAAD), no sexo feminino, não há correlações significativas, sendo que nos homens há correlação positiva entre os fatores da autoeficácia para a abstinência (EAAD) e os fatores das estratégias de Coping (Autocontrole e Resolução de Problemas).Conclui-se que as mulheres são mais vulneráveis ao uso de crack e usam mais as estratégias de Coping. Homens mais confiantes são mais autocontrolados e tem maior disponibilidade de resolver problemas. Faltam estudos que correlacionem os construtos apresentados neste estudo. O terceiro estudo, intitulado como “Relação entre Coping e o Tempo de Abstinência em Dependentes de Crack”, correlacionou as estratégias de Coping e o tempo de abstinência em homens e mulheres com transtorno grave pelo uso de crack, em tratamento. Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo e correlacional, com delineamento transversal e a amostra foi composta por 189 sujeitos: 84 mulheres (44,4%) e 105 homens (55,6%). Os participantes com idades entre 19 a 59 anos apresentam, no mínimo, 5 anos de estudo formal. A idade média de idade é de 31,7 (±8,8) anos, apresentam nível escolar baixo e renda familiar entre 1 e 2 salários mínimos (68,8%). A comparação entre variáveis categóricas nos dois grupos ocorreu pelos testes Qui-quadrado de Pearson e Exato de Fisher. Adotou-se o nível de significância de 5%. O tempo de abstinência de até 60 dias foi observado em 64,0% (n=121). Na avaliação das estratégias de Coping as médias mais elevadas, no sexo feminino, foram Fator 1 (Confronto) (Masculino: 1,4±0,6 vs. Feminino: 1,6±0,6; p=0,05); Fator 4 (Suporte Social) (Masculino: 1,6±0,7 vs. Feminino: 2,0±0,7; p=0,001); Fator 6 (Fuga e Esquiva) (Masculino: 1,5±0,7 vs. Feminino: 1,8±0,7; p=0,014); Fator 5 (Aceitação de Responsabilidade) (Masculino: 1,9±0,7 vs. Feminino: 2,1±0,6; p=0,011); e Fator 8 (Reavaliação Positiva) (Masculino: 1,6±0,6 vs. Feminino: 2,0±0,7; p<0,001).As estratégias de Coping, correlacionadas ao tempo de abstinência e ao sexo, teve um único efeito significativo no Fator 5 (Aceitação de Responsabilidade) para a interação entre sexo e tempo de abstinência (F1, 189 = 5,318; p=0,022; poder=0,631). Houve significância limítrofe nos Fatores 3 (Autocontrole) (F1, 189 = 4,064; p=0,072; poder=0,631) e 4 (Suporte Social) (F1, 189 = 4,031; p=0,072; poder=0,615). Houve efeito para o fator sexo evidenciado para os Fatores 1 (Confronto) (F1, 184 =8,357; p=0,004; poder=0,820); 3 (Autocontrole) (F1, 184 =4,450; p=0,036; poder=0,555); 4 Suporte Social (F1, 189 =5,574; p=0,001; poder=0,931); 6 (Fuga e Esquiva) (F1, 184 =; p=0,011; poder=0,724); e 8 (Reavaliação Positiva) (F1, 184 =5,611; p<0,001; poder=0,953). Mulheres têm escores mais elevados no Coping, independente do tempo de abstinência. Mulheres com até 60 dias de abstinência apresentam maior Aceitação de Responsabilidade (Fator 5/Coping) e, com mais de 60 dias, diminuíram o Autocontrole (Fator 3/Coping). Homens com mais de 60 dias de abstinência aumentaram o Suporte Social (Fator 4/Coping) em relação ao grupo com menos de 60 dias. Diferenças nas estratégias de Coping detectadas entre homens e mulheres em cada faixa de tempo de abstinência não se mostraram representativas neste estudo. O quarto e último estudo, “Habilidades de Enfrentamento, Autoeficácia e Tempo de Abstinência do Crack em Mulheres”, objetivou traçar um perfil de mulheres dependentes de crack internadas em Comunidades Terapêuticas, sendo correlacionados variáveis como Enfrentamento Antecipatório, Autoeficácia, Estratégias de Coping e o tempo de abstinência. Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo e correlacional, com delineamento transversal. A amostra está constituída de 84 mulheres. A distribuição de normalidade foi verificada pelo teste de Kolmogorov-Smirnov com correção de Lillifors, a relação de linearidade entre os instrumentos foi estimada através do coeficiente de correlação de Pearson e a análise comparativa pelo teste t-Student. Para critérios de decisão estatística adotou-se o nível de significância de 5%. Os resultados encontrados foram 31,6 (±9,1) anos como a média de idade e escolaridade baixa em 57,1% (n=48). Até internarem, 40,5% (n=34) das participantes trabalhavam e 48,9% (n=41) foram classificadas como classe “C” pelo Critério Brasil. O tempo de abstinência de até 60 dias ocorreu em 62,9% (n=66) e a média de dias sem o uso de drogas é de 181,6 (±294,7) dias. Quanto ao uso de outras substâncias, observou-se a associação do crack a outras drogas (álcool 23,8%; maconha 17,9%; cocaína 44,0%. Os resultados ponderados das médias encontradas no screening cognitivo através da Escala de Inteligência Wechsler para Adultos (WAIS) foram: Cubos 11,4 (±3,0); Códigos 9,1 (±2,4) e Dígitos 11,4 (±3,3). O escore médio apresentado no Mini Exame do Estado Mental (MEEM) é de 25,8. Na avaliação da autoeficácia (EAAD), a pontuação média mais elevada ocorreu no Fator 3 (Confiança em não usar crack frente a preocupações: 3,6±1,1) e a menor no Fator 2 (Confiança em não usar crack ao ver outras pessoas usando: 3,2±1,3).Na avaliação das estratégias de enfrentamento antecipatórias para a abstinência do crack (IDHEAA), as pontuações mais elevadas estão nos Fatores 1 (Assertividade e planejamento para situações de alto risco: 2,3±0,8) e 2 (Expressão de sentimento positivo para manutenção da abstinência: 2,3±0,6), sendo que o menor escore médio foi no fator 3 (Autocontrole emocional em situações adversas: 2,0±0,8). As pontuações médias nas estratégias de Coping oscilaram entre 1,6 e 2,1 pontos, sendo que a pontuação máxima estabelecida é de 3 pontos. As máximas ocorrem na Aceitação de Responsabilidade (Fator 5/Coping) (2,1±0,6), no Suporte Social (Fator 4/Coping) (2,0±0,7) e na Reavaliação Positiva (Fator 8/Coping) (2,0±0,7). As mínimas pontuações ocorrem no Confronto (Fator 1/Coping) (1,6±0,6) e no Autocontrole (Fator 3/Coping) (1,6±0,6). Em relação à correlação dos instrumentos estratégias de Coping e enfrentamento antecipatório (IDHEAA), verificou-se que o Fator 1 do IDHEAA (Assertividade e planejamento para situações de alto risco) estimou correlações significativas, positivas de grau fraco com as estratégias de Coping Suporte Social (Fator 4/Coping) (r=0,221; p=0,043), Aceitação de Responsabilidade (Fator 5/Coping) (r=0,258; p=0,018), Resolução Problemas (Fator 7/Coping) (r=0,269; p=0,013) e Reavaliação Positiva (Fator 8/Coping) (r=0,291; p=0,007); apontando que pontuações elevadas no Fator 1 IDHEAA (Assertividade e planejamento para situações de alto risco) mostram-se correlacionadas a pontuações também elevadas nos fatores das estratégias de Coping. As correlações mais expressivas entre estratégias de Coping e enfrentamento antecipatório estão no autocontrole emocional em situações adversas (Fator 3/IDHEAA) e no Suporte Social (Fator 4/Coping) (r=-0,294; p=0,007), Aceitação de Responsabilidade (Fator 5/Coping) (r=-0,232; p=0,034), Resolução Problemas (Fator 7/Coping) (r=-0,311; p=0,004), e Reavaliação Positiva (Fator 8/Coping) (r=-0,375; p<0,001). As estratégias de Coping e a autoeficácia para a abstinência variam de forma independente no sexo feminino. A média no Fator 2 do Coping (Afastamento) (1,6±0,6) dos participantes com até 60 dias de abstinência foi mais alta (p=0,026). Houve significância limítrofe (0,05<p<0,10) no Fator 5/Coping (Aceitação de Responsabilidade) (p=0,056) sugerindo que a média do grupo com até 60 dias de abstinência (2,3±0,6) pode estar se mostrando mais elevada, quando comparada ao grupo com mais de 60 dias de abstinência (2,0±0,7). Conclui-se que a autoeficácia está associada às estratégias de enfrentamento antecipatórias, sendo que ver outras pessoas usando drogas é considerado o fator mais crítico. Mulheres com controle emocional conseguem resignificar vivências e buscar apoio social. Considera-se a necessidade de novos estudos sobre habilidades de enfrentamento antecipatório e da autoeficácia em mulheres usuárias de crack. Esta dissertação poderá estimular novos estudos sobre habilidades de enfrentamento e autoeficácia no contexto do crack.
URI: http://hdl.handle.net/10923/7613
Aparece en las colecciones:Dissertação e Tese

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción TamañoFormato 
000475522-Texto+Parcial-0.pdfTexto Parcial288,86 kBAdobe PDFAbrir
Ver


Todos los ítems en el Repositorio de la PUCRS están protegidos por derechos de autor, con todos los derechos reservados, y están bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional. Sepa más.