Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://hdl.handle.net/10923/9006
Tipo: masterThesis
Título: Transmissão de esquistossomose em Esteio, Rio Grande do Sul: atualização e exploração de indicadores da sua interrupção
Autor(es): Ramírez, Angélica da Paz
Orientador: Graeff-Teixeira, Carlos
Candido, Renata Russo Frasca
Editor: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular
Fecha de Publicación: 2016
Palabras clave: ESQUISTOSSOMOSE
PARASITOLOGIA
BIOLOGIA MOLECULAR
Resumen: Schistosomiasis is a trematode infection caused by Schistosoma mansoni. The parasitosis occurs mainly in northern Minas Gerais and northeastern States in Brazil. There has been a significative reduction in morbidity and prevalence of schistosomiasis in some areas. However, the parasitosis is still considered an infection that is expanding geographically. The first autochthonous case in Esteio, Rio Grande do Sul (RS) was diagnosed in 1997. Since that date, 28 individuals were found infected with S. mansoni and have been followed up by the Grupo de Parasitologia Biomédica at PUCRS. The objective of the present study was to investigate and update data indicating a possible interruption of transmission. Serum samples were collected from the individuals previously identified with the infection and from school-aged children at Vila Pedreira, Esteio. From children, urine samples were also collected and tested with the rapid test “point of care” for detection of cathodic circulating antigen (POC-CCA). Serum samples were examined by Western-blot (WB), with S. mansoni microsomal antigen (MAMA). 18 children were positive at POC-CCA test. None of the positive results with molecular methods were positive by Helmintex. Transmission interruption in Esteio may probably have occurred, but its certification needs a long-term monitoring as well as adjustment of best suited methods for this challenging task.
A esquistossomose mansônica é uma infecção causada por um trematódeo, Schistosoma mansoni. No Brasil, as áreas de maior ocorrência são o norte de Minas Gerais e nordeste do país. Nos últimos anos, houve uma redução significativa na morbidade e prevalência desta infecção em algumas regiões. No entanto, a esquistossomose ainda é considerada uma doença parasitária em expansão geográfica. Em 1997, foi diagnosticado o primeiro caso autóctone em Esteio, no Rio Grande do Sul (RS). Desde então, 28 pessoas foram confirmadas com esquistossomose e monitoradas pelo Grupo de Parasitologia Biomédica da PUCRS. O objetivo deste estudo foi investigar e atualizar indicadores de interrupção da esquistossomose em Esteio, RS. Neste trabalho foram coletadas amostras de sangue de indivíduos ex-infectados por S. mansoni e de crianças em idade escolar de Vila Pedreira, Esteio. As crianças tiveram também coletadas amostras de urina. As amostras de sangue de foram analisadas pelo método de Western-blot (WB), utilizando o antígeno microssomal de S. mansoni (MAMA) e as urinas pelo teste rápido utilizando antígeno circulante catódico (POC-CCA). Resultados positivos foram confirmados pelo método Helmintex. 18 crianças tiveram resultado positivo para POC-CCA. Nestes casos os resultados da sorologia e do método Helmintex foram negativos. Existe a possibilidade de interrupção da transmissão da esquistossomose em Esteio, porém a certificação desta interrupção depende da continuidade por muito tempo, do monitoramento e ajuste dos métodos mais adequados para esta finalidade.
URI: http://hdl.handle.net/10923/9006
Aparece en las colecciones:Dissertação e Tese

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción TamañoFormato 
000480468-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo2,35 MBAdobe PDFAbrir
Ver


Todos los ítems en el Repositorio de la PUCRS están protegidos por derechos de autor, con todos los derechos reservados, y están bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional. Sepa más.