Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/937
Tipo: masterThesis
Título: Avaliação de pacientes classe III submetidos à expansão e protração maxilar através de dois diferentes protocolos de expansão : controle de 12 meses
Autor(es): Gourgues, Lisandra Jacomelli
Orientador: Menezes, Luciane Macedo de
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Odontologia
Data de Publicação: 2012
Palavras-chave: ODONTOLOGIA
ORTODONTIA
MALOCLUSÃO
TÉCNICA DE EXPANSÃO PALATINA
OCLUSÃO DENTÁRIA
MAXILARES - CIRURGIA
Resumo: Introdução: o propósito deste estudo foi avaliar e comparar as alterações em tecidos moles, esqueléticas e dentárias no sentido anteroposterior decorrentes de dois protocolos de expansão e protração da maxila num período de 12 meses, em pacientes Classe III com deficiência maxilar. Métodos: Uma amostra de 19 pacientes (idade média de 7 a 14 anos) foi submetida à expansão maxilar com aparelho tipo Hyrax e protração da maxila, sendo dividida aleatoriamente em 2 grupos: (1) Grupo Expansão e Constrição da Maxila (ERMC) (n=10) e (2) Grupo Expansão Rápida da Maxila (ERM) (n=9). Todos os pacientes tiveram uma ativação inicial da expansão de 0,8 mm (4/4 de volta). A partir do segundo dia de ativação os pacientes que participaram do Grupo 1 (ERMC), realizaram ativações diárias de 2/4 volta no período matutino e 2/4 volta no período noturno, perfazendo um total de 4/4 volta diários, sendo que na semana seguinte foi realizada a desativação do parafuso na mesma proporção diária. Esse protocolo foi repetido por 7 semanas, seguido de 6 meses de protração maxilar. Para o grupo 2 (ERM), o parafuso foi ativado a partir do segundo dia de ativações: 2/4 volta pela manhã e 2/4 volta à noite, perfazendo uma abertura de 5,6 mm, no final de sete dias, seguida de 6 meses de protração maxilar. Medidas cefalométricas foram feitas em diferentes tempos: pré-tratamento (T1), logo após a expansão (T2), em 6 meses de tratamento (T3) e após 6 meses de contenção com uso da máscara (T4). Essas medidas foram avaliadas pelo modelo misto com covariância simétrica, seguida do teste Tukey-Kramer (nível de 5%). Resultados: Após 12 meses de tratamento houve deslocamento da maxila para baixo e para frente, rotação mandibular para baixo e para trás, com aumento do terço inferior da face, promovendo melhora na relação maxilomandibular e no perfil mole. Conclusão: não houve diferença entre os dois protocolos de expansão estudados, seguidos de protração, quando avaliados os efeitos anteroposteriores em 12 meses de tratamento.
Introduction: The purpose of this study was to evaluate and compare changes skeletal, dental, and soft tissue profile on the anteroposterior two protocols due to maxillary expansion and protraction of the maxilla in 12 months. Methods: a sample of 19 patients (mean age 7 to 14 years) underwent maxillary expansion and protraction hyrax appliance) and randomly divided into 2 groups: (1) Group ERMC (n=10) and (2) Group ERM (n=9). All patients had an initial activation of the expansion of 0.8 mm (4/4 turn). From the second day of activation did patients in Group 1 (ERMC) performed daily activations of 2/4 back in the morning and 2/4 back at night, making a total of 4/4 back daily, and was held the following week off to screw the same amount daily. This protocol was repeated for 7 weeks followed by 6 months of maxillary protraction. For Group 2 (ERM), the screw was activated from the second day of activations: 2/4 back in the morning and 2/4 back in the evening, making a gap of 5.6 mm at the end of seven days, then 6 months of maxillary protraction. Cephalometric measurements were made at different times: pretreatment (T1); immediately after expansion (T2); 6 months of treatment (T3) and after 6 months of contention with the use of the mask (T4). These measurements were evaluated using mixed model with symmetric covariance followed by Tukey-Kramer test (5% level). Results: after 12 months of treatment there was displacement of the jaw down and forward, mandibular rotation down and back, with an increase in lower face, promoting better maxillomandibular relation and soft tissue profile of individuals. Conclusion: There was no difference between the two protocols studied expansion, followed by protraction, when evaluated the effects anteroposterior in 12 months of treatment.
URI: http://hdl.handle.net/10923/937
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
438176.pdfTexto Completo2,24 MBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.