Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10923/9869
Type: masterThesis
Title: Depressão pós-parto materna: interação mãe-bebê e processamento de faces
Author(s): Azambuja, Carolina Viecili
Advisor: Arteche, Adriane Xavier
Publisher: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Graduate Program: Programa de Pós-Graduação em Psicologia
Issue Date: 2017
Keywords: DEPRESSÃO PÓS-PARTO
MÃES E FILHOS
DESENVOLVIMENTO INFANTIL
PSICOLOGIA
Abstract: A depressão é uma condição médica muito comum e com alta prevalência entre a população. Dentre os especificadores do transtorno, um dos quadros com maior incidência durante a gestação ou puerpério é a depressão pós-parto materna (DPP). A gestação e o período pósparto são considerados momentos de risco para o desenvolvimento ou aumento de transtornos psiquiátricos em mulheres e, em especial, a DPP. A presente dissertação é composta por dois estudos empíricos; o primeiro aborda o impacto da depressão pós-parto materna na interação mãe-bebê, levando em consideração as dimensões da mãe, do bebê e da dupla. O Estudo I contou com a participação de 27 duplas e, destas, nove com sintomas de depressão e 18 sem a presença do transtorno, recrutadas em cinco diferentes cidades do Rio Grande do Sul. As mulheres responderam ao questionário de perguntas gerais, que foi desenvolvido especialmente para esta pesquisa: EPDS (ponto de corte ≥11 pontos), BDI, BAI, SCID, WASI, filmagem e GRS. Foram realizadas análises descritivas, análises de correlação, MANOVAs e MANCOVAs, com covariações. Dentre os principais resultados obtidos, constatou-se que a prevalência de DPP encontrada foi de 33%, índice maior do que aponta a literatura. Escolaridade está relacionada significativa e positivamente a melhores índices maternos de interação. Em todas as dimensões da escala de interação, os índices de mulheres com DPP foram inferiores aos resultados das mulheres sem DPP. O Estudo II aborda o processamento de expressões faciais de adultos e de bebês. A amostra foi composta por parte das mães do Estudo I. Participaram 22 mulheres, sendo que 19 responderam a tarefa de faces adultas e 22 a de bebês; destas, 08 deprimidas e 14 controles. Para este estudo, além dos instrumentos de dados demográficos e avaliação materna, foi incluída a tarefa de reconhecimento de faces.Para as análises dos dados, o programa SPSS foi utilizado e também ANOVAs, MANCOVAs, correlações e análises descritivas foram realizadas. Dentre os principais resultados, mulheres com DPP apresentaram menor acurácia para as expressões faciais de bebês e adultos e classificaram as faces com menos intensidade conforme o tempo de exposição aumentava, se comparadas ao grupo controle. Os achados do estudo apontam para os déficits em relação ao reconhecimento de expressões faciais em mulheres com DPP, o que pode ocasionar na diminuição quanto à qualidade da relação mãe-bebê, visto que as respostas adequadas às demandas do bebê encontram-se prejudicadas pelas distorções no reconhecimento da emoção expressa pela criança. Interações malsucedidas podem acarretar problemas no desenvolvimento do bebê. Os achados de ambos os estudos apontam para a necessidade de mais pesquisas na área, que busquem contribuir para a prevenção e a intervenção/tratamento do mediadores e moderadores da qualidade da relação mãe-bebê em casos de DPP.
Depression is a very common medical condition with high prevalence among the population. Among the specifiers of the disorder, one of the most prevalent conditions during pregnancy or puerperium is maternal postpartum depression (PPD). Gestation and the postpartum period are considered risky moments for the development or increase of psychiatric disorders in women, and in particular, PPD. The present dissertation is comprised of two empirical studies; The first addresses the impact of maternal postpartum depression on mother-baby interaction considering the dimensions of the mother, baby, and the duo. The study counted on the participation of 27 pairs, of these, nine with symptoms of depression and 18 without the presence of the disorder, recruited in five different cities of Rio Grande do Sul. The women answered the questionnaire of general questions, which was developed especially for this research, EPDS (cutoff ≥11 points), BDI, BAI, SCID, WASI, filming and GRS. Descriptive analyzes, correlation analyzes, MANOVAs and MANCOVAs with covariations were performed. Among the main results obtained, it was found that the prevalence of PPD was 33%, which is higher than the literature indicates. Schooling is significantly and positively related to better maternal indexes of interaction. Overall, mothers had moderate rates of interaction, while infants had low and intermediate rates and low rates for double, regardless of the presence of PPD. On the other hand, in all dimensions of the interaction scale, the indices of women with PPD were lower than the results of women without PPD, demonstrating implications in the interaction. In study two, the same one approaches the processing of facial expressions of adults and of babies. The study had the participation of 22 women, 19 of whom answered the task of adult faces and 22 a of babies, of these 08 depressed and 14 controls.Participants were recruited at the same sites of study 1 and same instruments applied - for this study filming was not analyzed as well as the interaction scale, but the task of face recognition was included. For the analysis of the data, the SPSS program was used and ANOVAs, MANCOVAs, correlations and descriptive analyzes were performed. Among the main results, women with PPD presented lower accuracy for the facial expressions of infants and adults and classified the faces with less intensity as the exposure time increased, when compared to the control group. The findings of the study point to the deficits in relation to the recognition of facial expressions in women with PPD, which may lead to a decrease in the quality of the mother-baby relationship, since adequate responses to the baby's demands are hampered by the distortions in the recognition of the emotion expressed by the child. Unsuccessful interactions can lead to problems in the baby's development. The findings of both studies point to the need for more research in the area which seeks to contribute to prevention and intervention / treatment of mediators and moderators of the quality of the mother-infant relationship in cases of PPD.
URI: http://hdl.handle.net/10923/9869
Appears in Collections:Dissertação e Tese

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
000482794-Texto+Parcial-0.pdfTexto Parcial173,48 kBAdobe PDFOpen
View


All Items in PUCRS Repository are protected by copyright, with all rights reserved, and are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License. Read more.