Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/10122
Tipo: doctoralThesis
Título: Educação e memória do sofrimento em T. W. Adorno
Autor(es): Savi Neto, Pedro
Orientador: De la Fare, Mónica
Hermann, Nadja Mara Amilibia
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Educação
Data de Publicação: 2017
Palavras-chave: EDUCAÇÃO - ASPECTOS FILOSÓFICOS
MEMÓRIA - ASPECTOS SOCIAIS
ADORNO, THEODOR W. - CRÍTICA E INTERPRETAÇÃO
EDUCAÇÃO
Resumo: A presente tese tem como objetivo a compreensão adequada do dever de memória a partir do imperativo categórico formulado por T.W. Adorno, de que eventos como Auschwitz não se repitam, como fundamento educacional para a desbarbarização da sociedade a partir de sua dimensão fundamental: o sujeito. Para tanto, a pesquisa parte da análise da sociedade burguesa, enquanto organização social que se apropriou e reforçou a lógica de dominação da natureza para estruturar uma sociedade administrada pelos interesse econômicos e marcada pela frieza nas relações pessoais. Contexto no qual, o caráter pedagógico da memória do sofrimento não encontra lugar pelo não desenvolvimento na formação humana, reduzida a mero treinamento para o mercado de trabalho, de duas dimensões fundamentais: negatividade e mimese. A pesquisa passa pela compreensão da filosofia moral negativa de Adorno exposta de forma relacional com a filosofia moral de Kant, com o objetivo de explicitar o tipo de consciência moral que deve ser formado pela educação para resistir à barbárie. A memória elevada à categoria moral não se confunde com a história; a memória está relacionada à perspectiva para encarar a história, uma posição política diante da história, comprometida com o sofrimento passado erigido à condição de fundamento para pensar a filosofia moral e, por consequência, definir os valores que a humanidade entende fundamentais para conservar às gerações futuras.A presença constante da barbárie na história da humanidade é analisada a partir da crítica à concepção de história como progresso, presente na filosofia de Hegel. A importância educacional da elaboração do passado é fundamentada com apoio na obra de Reyes Mate. A partir desses elementos teórico-filosóficos, o dever de memória é defendido como postura ética e convicção política necessária para viabilizar a construção de uma sociedade justa a partir de uma educação comprometida com a adequada compreensão das causas que possibilitaram tanto sofrimento no passado e que permanecem presentes no mundo para possibilitar um futuro diferente. A tese, então, é de que a humanização do humano, entendida como objetivo principal do processo educacional, somente se dá quando a memória do sofrimento está na base de sua estruturação.
The present thesis aims at the adequate understanding of the memory duty from the categorical imperative formulated by T.W. Adorno, that events like Auschwitz mustn’t be repeated, as an educational foundation for the de-barbarization of society from its fundamental dimension: the subject. For this, the research starts from the analysis of bourgeois society as a social organization that appropriated and reinforced the logic of domination of nature to structure a society managed by economic interests and marked by the coldness in personal relations. The context in which the pedagogical character of the memory of suffering does not find its place in human development, reduced to mere training for the labor market, of two fundamental dimensions: negativity and mimesis. The research goes through the understanding of the negative moral philosophy of Adorno exposed relationally with the moral philosophy of Kant, with the purpose of explaining the type of moral conscience that must be formed by the education to resist the barbarism. Memory raised to the moral category is not confused with history; memory is related to the perspective to face history, a political position in front of history, committed to the past suffering erected to the condition of foundation to think the moral philosophy and, consequently, to define the values that humanity understands fundamental to conserve to the future generations.The constant presence of barbarism in the history of mankind is analyzed from the critique of the conception of history as progress, present in Hegel's philosophy. The educational importance of the elaboration of the past is founded with support in the work of Reyes Mate. From these theoretical-philosophical elements, the duty of memory is defended as an ethical stance and political conviction necessary to enable the construction of a just society from an education committed to an adequate understanding of the causes that have made possible so much suffering in the past and that remain present in the world to enable a different future. The thesis, then, is that the humanization of the human, understood as the main objective of the educational process, only occurs when the memory of suffering is the basis of its structuring.
URI: http://hdl.handle.net/10923/10122
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000483490-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo4,65 MBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.