Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/11792
Tipo: masterThesis
Título: “Úteis a si mesmos e a pátria”: as classes de menores aprendizagens do Arsenal de Guerra de Porto Alegre/RS (1850 – 1870)
Autor(es): Santos, Maicon Lopes dos
Orientador: Abreu, Luciano Aronne de
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em História
Data de Publicação: 2018
Palavras-chave: PORTO ALEGRE (RS) - HISTÓRIA - SÉCULO XIX
BRASIL - HISTÓRIA - IMPÉRIO, 1840-1889
BRASIL - HISTÓRIA - SÉCULO XIX
Resumo: O presente trabalho dedica-se ao estudo das relações e interações políticas e sociais existentes entre trabalho, educação e assistencialismo nas Oficinas do Arsenal de Guerra de Porto Alegre através das classes de Menores Aprendizes entre os anos de 1850 e 1870. A existência de classes de Menores Aprendizes foi uma prática do Exército Imperial em diversas províncias do Brasil no século XIX; e desta maneira, procuramos compreender como se dava, no caso da província do Rio Grande do Sul, a admissão e o aprendizado destes menores desvalidos, órfãos, expostos e indígenas dentro das oficinas do Arsenal. Logo, a principal análise envolve a existência de uma estrutura de trabalho e educação organizada pelo Estado Imperial para o desenvolvimento de mão de obra especializada e livre, as relações sociais da época na província de São Pedro do Rio Grande do Sul e os mecanismos de sobrevivência da população pobre frente às dificuldades de manter a educação como subsistência infantil no período. Desta forma mostramos a existência de uma dinâmica social e política que dialoga com três vieses analisados ao nos referirmos ao funcionamento da instituição, sendo eles o viés do assistencialismo, do controle social e da formação profissional. Neste sentido, mostramos também como os menores aprendizes, inseridos dentro deste contexto militar, utilizavam de estratégias e normativas impostas a eles, por um poder estatal superior, para também ascender dentro do contexto da sociedade pobre da Porto Alegre do século XIX.
The present paper is dedicated to the study of the existing political relations and interactions among work, education and welfarism at the Oficinas do Arsenal de Guerra de Porto Alegre (Porto Alegre War Arsenal Workshops) through the class of Menores Aprendizes (Underage Apprentices) between the years of 1850 and 1870. The existence of the Underage Apprentices class was a common-practice by the Imperial Army in several provinces in Brazil in the century XIX, and in this way, we try to understand how, in the case of the Rio Grande do Sul province, the admission and teaching of these destitute, orphans, exposed and indigenous within the Arsenal Workshops worked. Therefore, the main analysis involves the existence of a work and education structure organized by the Imperial State for the development of specialized and free work force, the social relations of the time in the province of São Pedro do Rio Grande do Sul and the mechanisms of survival of the poor population before the difficulties of keeping education as childhood subsistence at the time. Thus, we will show the existence of a social and political dynamics that dialogues in three biases analyzed when referring to the functioning of the institution, such as the welfarism, social control and professional formation. In this sense, we will also provide how the underage apprentices, inserted in this military context, made use of strategies and regulations imposed to them, by a superior state power, in order to also ascend within the context of the poor society in the XIX century in Porto Alegre.
URI: http://hdl.handle.net/10923/11792
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000489086-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo1,35 MBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.