Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/1287
Tipo: masterThesis
Título: Análise do polimorfismo C677T da metilenotetraidrofolato redutase em pacientes com episódio de trombose venosa
Autor(es): Lopes, Amanda
Orientador: Schmitt, Virgínia M.
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular
Data de Publicação: 2006
Palavras-chave: MEDICINA
BIOLOGIA MOLECULAR
BIOLOGIA CELULAR
TROMBOSE VENOSA PROFUNDA
POLIMORFISMO GENÉTICO HUMANO
ENZIMAS
Resumo: Introduction: Venous thromboembolism (VTE) is a multigenic and multifactor disease and main clinical presentations include deep venous thrombosis and pulmonary thromboembolism. More than 60% of VTE cases are related to genetic predisposition and hyperhomocysteinemia is an established risk factor for VTE. Methilenetetrahydrofolate redutase (MTHFR) is a key enzyme in the homocysteine (Hcy) and folate metabolism. It catalyses the reduction of 5,10-metilenethetrahydrofolate to 5-metilthetrahydrofolate, a derivative form of folate which acts as a co-factor for remethylation of homocysteine to methyonine. A C ! T base transition at the nucleotide 677 of the MTHFR gene results in an alanine to valine substitution, generating a thermolabile variant of MTHFR. This thermolabile variant presents a decreased enzymatic activity, resulting in elevated plasma homocysteine levels. Materials and Methods: We studied 70 patients with thromboembolic disease (case group) and 74 individuals with no history of thromboembolism (control group). C677T MTHFR polymorphism was analyzed by polymerase chain reaction, followed by HinfI restriction enzyme digestion (PCR-RFLP).Results: T allele frequency was 46. 0% in patients and 38. 0% in controls (P=0. 92; OR 0. 72; 95%CI=0. 45-1. 15). MTHFR genotypes distribution for case and control groups, respectively, was: 40. 0% and 41. 9% normal homozygous (CC) (P=0. 87; OR 0. 92; 95% CI=0. 47-1. 79); 28. 3% and 40. 5% heterozygous (CT) (P=0. 16; OR 0. 58; 95%CI=0. 29-1. 17); 31. 4% and 17. 6% mutant homozygous (TT) (P=0. 08; OR 2. 15; 95% CI=0. 98-4. 70). Discussion and Conclusions: frequencies of C and T alleles were similar in both groups; presence of T allele did not represent a higher risk for TVE. The higher prevalence of the TT genotype in case group, although not statistically significant, suggests an association between the MTHFR C677T polymorphism and a higher risk for thromboembolic disease. The results presented herein represent the first report on the frequency of this polymorphism in the study population, since no data was available in the literature. These results are also a contribution for the understanding of the relationship between the MTHFR C677T polymorphism and VTE.
Introdução: O tromboembolismo venoso (TEV) tem como manifestações clínicas a trombose venosa profunda e o tromboembolismo pulmonar. Trata-se de uma doença multigênica e multifatorial. Mais de 60% dos casos estão relacionados com predisposição genética e a hiperhomocisteinemia é considerada um fator de risco estabelecido. A enzima metilenotetraidrofolato redutase (MTHFR) está envolvida no metabolismo da homocisteína (Hcy) e do ácido fólico. Esta enzima catalisa a redução do 5,10-metilenotetraidrofolato em 5-metiltetraidrofolato, derivado do ácido fólico que atua como co-fator para remetilação da homocisteína em metionina. A transição de uma citosina para uma timina no nucleotídeo 677 do gene da MTHFR resulta na substituição de uma alanina por uma valina, gerando uma variante termolábil da MTHFR. Esta variante termolábil apresenta uma atividade enzimática diminuída, o que resulta em um aumento nos níveis plasmáticos de Hcy. Materiais e Métodos: Foram avaliados 70 indivíduos com episódio de tromboembolismo venoso (grupo caso) e 74 indivíduos sem histórico de doença tromboembólica (grupo controle). O genótipo da MTHFR foi determinado por reação em cadeia da polimerase, seguida de digestão enzimática com a enzima HinfI (PCR-RFLP).Resultados: A freqüência do alelo T foi 46,0% entre os pacientes e 38,0% entre os controles (P=0,92; OR 0,72; 95%CI=0,45-1,15). O genótipo CC (homozigoto normal) foi encontrado em 40,0% dos pacientes e 41,9% dos controles (P=0,87; OR 0,92; 95%CI=0,47-1,79). O genótipo CT estava presente em 28,3% dos casos e 40,5% dos controles (P=0,16; OR 0,58; 95%CI=0,29-1,17). Os homozigotos para a variante termolábil da enzima (genótipo TT) representaram 31,4% dos indivíduos do grupo caso e 17,6% dos indivíduos do grupo controle (P=0,08; OR 2,15; 95%CI=0,98-4,70). Discussão e Conclusões: A freqüência dos alelos C e T foi semelhante entre os grupos estudados e a presença do alelo T não representou aumento no risco para TEV. Entre os genótipos, não houve diferença estatisticamente significativa entre os indivíduos com e sem histórico de trombose. No entanto, o genótipo TT foi mais freqüente no grupo caso que no grupo controle, indicando uma tendência de associação entre o genótipo TT da MTHFR e o desenvolvimento de doenças tromboembólicas. Estes resultados representam o primeiro relato indicativo da freqüência deste polimorfismo na população da região estudada, uma vez que não foram encontrados dados na literatura sobre estas freqüências, contribuindo para a pesquisa da relação entre este polimorfismo e o TEV.
URI: http://hdl.handle.net/10923/1287
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000385077-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo411,06 kBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.