Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/1312
Tipo: masterThesis
Título: Nucleotidases e depressão: efeito de fármacos antidepressivos no catabolismo do ATP extracelular
Autor(es): Pedrazza, Eduardo Luiz
Orientador: Bonan, Carla Denise
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular
Data de Publicação: 2007
Palavras-chave: BIOLOGIA CELULAR
ANTIDEPRESSIVOS
DEPRESSÃO
NEUROTRANSMISSORES
Resumo: Depression is the most common manifestation of affective disorders. It is one of the most disable diseases, and causes a significant burden to both the individual and the society and, if not treated, it can increase morbidity and mortality. The use of antidepressants drugs is the base of depression treatment. The selective serotonin reuptake inhibitors, such as fluoxetine and sertraline, and the tricyclic antidepressants, nortriptyline and clomipramine, are constantly used in the treatment for depression. Evidence has shown the important role performed by ATP and adenosine in the central nervous system. ATP can be stored and co-released with other neurotransmitters, such as noradrenaline and serotonin. Extracellular ATP can be hydrolyzed to adenosine by the action of ecto-nucleotidases. These ecto-enzymes promoted the enzymatic conversion of ATP, controlling the levels of this nucleotide and its nucleoside adenosine. Among the ecto-nucleotidases, we can highlight the NTPDases family and the ecto-5´-nucleotidase. Considering that: (i) adenosine exerts an important neuromodulatory role, (ii) ATP can be co-released with serotonin and noradrenaline, and (iii) the ecto-nucleotidases represent the main pathway for extracellular adenosine formation through ATP catabolism, become important to evaluate the effects of antidepressant drugs on the ecto-nucleotidases. Fluoxetine, sertraline, nortriptyline and clomipramine were tested for in vitro treatment, in the concentrations of 100, 250 and 5007M, in the blood serum and in hippocampal and cerebral cortex synaptosomes from rats. ATP and ADP hydrolysis were inhibited in a dose-dependent manner in the in vitro treatment with the four drugs in the hippocampal and cerebral cortex synaptosomes from rats, but AMP hydrolysis was not altered. The in vitro treatment did not affect any enzyme activities tested in rat blood serum. Fluoxetine and nortriptyline were used for the in vivo treatment in a dose of the 10mg/Kg. The acute treatment (1 hour after the administration) with nortriptyline promoted an inhibition on ATP hydrolysis in rat blood serum. However, the chronic treatment (14 dias) with both drugs caused an inhibition on NTPDases and ecto-5´-nucleotidasis activities in blood serum. Fluoxetine acute treatment did not alter the enzymes activities in synaptosomes of hippocampus and cerebral cortex. The acute treatment with nortriptyline induced an increase of ADP hydrolysis in cerebral cortex and a decrease of ATP and ADP hydrolysis in the hippocampus. The chronic treatment with fluoxetine promoted an inhibition of the ATP hydrolysis in the hippocampus and cerebral cortex and increased the ADP and AMP hydrolysis in the cerebral cortex. After chronic treatment with nortriptyline, there was a decrease of ATP hydrolysis in the hippocampus, but it was observed an increase of enzymes activities in cerebral cortex. The gene expressions of NTPDases and ecto-5´- nucleotidase were altered after acute and chronic treatments with fluoxetine and nortriptyline in hippocampus and cerebral cortex of rats. The findings demonstrated that these antidepressants drugs can affect the enzymes involved in the adenosine production, suggesting that the purinergic system can be a target to neurochemical effects promoted by these drugs.
A depressão é a manifestação mais comum dos distúrbios afetivos. É uma das doenças mais debilitadoras e causa problemas tanto para o indivíduo quanto para a sociedade e, se não for tratada, pode levar ao aumento da morbidade e mortalidade. O uso de fármacos antidepressivos é a base dos tratamentos para depressão. Os inibidores seletivos da recaptação de serotonina, como a fluoxetina e a sertralina, e os antidepressivos tricíclicos, nortriptilina e clomipramina, são constantemente utilizados no tratamento para a depressão. Evidências têm demonstrado o importante papel desempenhado pelo ATP e a adenosina no sistema nervoso central. O ATP pode ser armazenado e co-liberado juntamente com outros neurotransmissores, tais como a noradrenalina e a serotonina. O ATP extracelular pode ser hidrolisado até adenosina pela ação de um grupo de ecto-nucleotidases. Estas ecto-enzimas promovem a conversão enzimática de ATP, controlando os níveis deste nucleotídeo e do seu nucleosídeo adenosina. Dentro do grupo das ecto-nucleotidases, podemos destacar a família das NTPDases (Nucleosídeo trifosfato difosfoidrolases) e a ecto-5´- nucleotidase. Considerando que: (i) a adenosina exerce um importante papel neuromodulador, (ii) o ATP pode ser co-liberado com serotonina e noradrenalina e (iii) as ecto-nucleotidases representam a principal rota de formação de adenosina extracelular através do catabolismo do ATP, torna-se importante avaliar o efeito de fármacos antidepressivos sobre a via das ecto-nucleotidases. Fluoxetina, sertralina, nortriptilina e clomipramina foram testadas no tratamento in vitro, nas concentrações de 100, 250 e 500 µM no soro e em sinaptossomas de hipocampo e córtex cerebral de ratos. A hidrólise de ATP e ADP foram inibidas de maneira dose-dependente no tratamento in vitro realizado com os quatro fármacos em sinaptosomas de hipocampo e córtex cerebral de ratos, mas a hidrólise de AMP não foi alterada. O tratamento in vitro em soro de ratos não afetou nenhuma das atividades enzimáticas estudadas. Fluoxetina e nortriptilina foram testadas no tratamento in vivo, na dose de 10mg/Kg. O tratamento agudo (1 hora após a administração) com nortriptilina provocou uma inibição na hidrólise de ATP em soro de ratos. Entretanto, o tratamento crônico (14 dias) com ambas as drogas provocou uma inibição na atividade das NTPDases e da ecto-5´-nucleotidase em soro. O tratamento agudo com fluoxetina não alterou a atividade das enzimas em sinaptossomas de hipocampo e córtex cerebral. Entretanto, o tratamento agudo com nortriptilina levou a um aumento na hidrólise de ADP no córtex cerebral e induziu uma diminuição na hidrólise de ATP e ADP no hipocampo. O tratamento crônico com fluoxetina provocou uma inibição na hidrólise de ATP no hipocampo e no córtex cerebral e aumentou a hidrólise de ADP e AMP no córtex cerebral. Após tratamento crônico com nortriptilina, houve uma diminuição da hidrólise de ATP no hipocampo, mas foi observado um aumento nas atividades destas enzimas no córtex cerebral. A expressão gênica das NTPDases e ecto-5´-nucleotidase foi alterada após os tratamentos agudo e crônico com fluoxetina e nortriptilina em hipocampo e córtex cerebral de ratos. Os resultados demonstram que estes fármacos antidepressivos podem influenciar as enzimas envolvidas na formação do neuromodulador adenosina, sugerindo que o sistema purinérgico pode ser alvo dos efeitos neuroquímicos promovidos por estes fármacos.
URI: http://hdl.handle.net/10923/1312
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000391140-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo3,8 MBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.