Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://hdl.handle.net/10923/3540
Tipo: masterThesis
Título: O conceito de trabalho na filosofia de Hegel e alguns aspectos de sua recepção em Marx
Autor(es): Schäfer, Márcio Egídio
Orientador: Bavaresco, Agemir
Editor: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Filosofia
Fecha de Publicación: 2012
Palabras clave: FILOSOFIA
TRABALHO - ASPECTOS FILOSÓFICOS
ALIENAÇÃO
HEGEL, GEORG WILHELM FRIEDRICH - CRÍTICA E INTERPRETAÇÃO
MARX, KARL - CRÍTICA E INTERPRETAÇÃO
Resumen: A presente pesquisa procura analisar o conceito de trabalho (Arbeit) na filosofia de Hegel, enfatizando alguns aspectos de sua recepção em Marx. Para tanto, em primeiro lugar, explicita-se o lugar e a função do conceito de trabalho no sistema hegeliano, focando os problemas que pretende resolver e as influências que Hegel teve para desenvolver um conceito de trabalho numa acepção positiva, para o que a Modernidade, especialmente a Economia Política, deu uma contribuição especial. Em segundo lugar, investiga-se o conceito do trabalho com o propósito de esclarecer o significado da clássica formulação hegeliana segundo a qual o trabalho forma (bildet). Isso é feito tanto na esfera do Espírito Subjetivo, em que se analisa a dimensão formadora do trabalho em relação ao indivíduo, como também na esfera do Espírito Objetivo, em que se esclarece a dimensão formadora do trabalho em relação ao gênero humano. Porém, esclarecer essa dimensão exige que se revisite a estrutura especulativa do trabalho tal como ela aparece na Lógica. Mas, se o trabalho assume esse papel de formador, Marx acrescenta que também pode se suceder o inverso, ou seja, pode ser deformador do ser humano, o que aparece sob a rubrica da face negativa do trabalho ou do problema da alienação. Isso é investigado no terceiro momento, tentando explicitar o tratamento hegeliano desse problema. Por fim, com base na argumentação desenvolvida, busca-se expor alguns pontos com base nos quais é possível pensar a atualidade do conceito de trabalho.
This research aims to analyze the concept of work (Arbeit) in Hegel’s philosophy, by emphasizing some aspects of its reception in Marx. In order to do so, in the first place, the argumentation focuses to explicit the place and the role of the concept of work in Hegel’s system pointing out the problems that it aims to solve and the influence that Hegel has had to develop a concept of work in a positive sense, for which the modern world, especially the political economy, has a special contribution. Secondly, the concept of work is examined with the purpose to clarify the meaning of the classic Hegelian formulation according to which the work forms (bildet). This is analyzed in the sphere of the Subjective Spirit, which discusses the forming dimension of work in relation to the individual as well in the sphere of the Objective Spirit, in which the forming dimension of work in his relation to the humankind is cleared. Nevertheless, to clarify this dimension demands to revisit his speculative structure as it appears in the Logic. However, if the work assumes this forming dimension, Marx ads that can succeed the opposite, in other words, it can also deform the human being, and that appears under the heading of the negative face of work or of the problem of alienation. This point is examined in the third moment, which aims to explain the Hegelian treatment of this problem. Finally, on the basis of the arguments presented, this search intends to expose some arguments on which basis it is possible to think the actuality of the concept work.
URI: http://hdl.handle.net/10923/3540
Aparece en las colecciones:Dissertação e Tese

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción TamañoFormato 
000438145-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo1,08 MBAdobe PDFAbrir
Ver


Todos los ítems en el Repositorio de la PUCRS están protegidos por derechos de autor, con todos los derechos reservados, y están bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional. Sepa más.