Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10923/3728
Type: masterThesis
Title: Frequência de incapacidade funcional em idosos residentes nos Distritos Sanitários da Restinga e do Extremo-Sul da cidade de Porto Alegre-RS e sua relação com fatores socioeconômicos e demográficos
Author(s): Pereira, Gustavo Nunes
Advisor: Bós, Ângelo José Gonçalves
Publisher: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Graduate Program: Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica
Issue Date: 2011
Keywords: GERIATRIA
GERONTOLOGIA
IDOSOS
ENVELHECIMENTO
ATIVIDADES COTIDIANAS
ATIVIDADES MOTORAS
SAÚDE DO IDOSO
SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA OU INCAPACIDADE
Abstract: OBJETIVO : Observar a frequência de incapacidade funcional dos idosos moradores da área de abrangência do projeto: Diagnóstico de comunidade dos Distritos Sanitários da Restinga e do Extremo-Sul e sua associação com os fatores socioeconômicos e demográficos observados.MÉTODOS : Estudo com delineamento transversal de base populacional, incluindo 638 idosos com idade igual ou superior a 60 anos. Para a avaliação das atividades básicas e instrumentais da vida diária foram empregados o Índice de Katz e a Escala de Lawton, respectivamente. Definiu-se como incapacidade funcional para cada domínio a necessidade de ajuda em, no mínimo, uma atividade avaliada. As variáveis demográficas foram: idade, sexo e número de moradores que residem na casa do idoso. As variáveis socioeconômicas analisadas foram: escolaridade, situação conjugal, nível socioeconômico e presença de cuidador. As médias de idade e número de moradores foram comparadas entre os dois níveis de incapacidade funcional e testadas pelo T de Student. Tabelas de distribuição foram construídas cruzando incapacidade funcional e variáveis não numéricas, sendo testadas pelo Qui-Quadrado. A chance de apresentar incapacidade funcional foi medida pela regressão logística e expressa em razão de chance IC = 95%.RESULTADOS : Observamos uma prevalência de incapacidade funcional de 15,7% para atividades básicas e 26,2% para atividades instrumentais. Mulheres apresentaram uma frequência significativamente maior de incapacidade para atividades básicas, enquanto idade avançada e ser viúvo(a) foram significativamente maiores tanto para atividades básicas quanto para instrumentais. As chances de apresentar incapacidade funcional para atividades básicas foram menores em idosos com baixo nível socioeconômico (p=0,03) e maiores com o avançar da idade (p<0,005). Já as atividades instrumentais apresentaram maior número de variáveis significativas no modelo final de regressão logística, tendo o mesmo padrão que as atividades básicas para nível socioeconômico (p=0,01) e faixa etária (p=0,001). Na comparação com os idosos que nunca estudaram, todos os outros níveis de escolaridade foram significativamente protetores (p<0,001). O estado civil casado foi protetor na comparação com os outros níveis da variável (p<0,001).CONCLUSÃO : A frequência de incapacidade funcional encontrada não foi maior do que a descrita na literatura brasileira, mas encontramos uma importante associação com níveis socioeconômicos e faixa etária para ambos os desfechos e com escolaridade e estado civil para as atividades instrumentais. Os serviços de atenção primária devem estar atentos às características socioeconômicas e demográficas associadas à incapacidade funcional.
OBJECTIVE : To observe the frequency of functional disability in elderly residents of vulnerable communities in Porto Alegre, a city in southern Brazil, and its association with socioeconomic and demographic factors.METHODS : Cross-sectional population-based study including 638 elderly aged over 60 years. Katz Index and Lawton Scale were used for evaluation of basic and instrumental activities of daily living, respectively. Functional disability was defined as the need for help in at least one activity evaluated. Demographic variables included age, sex and number of residents. Socioeconomic variables analyzed were education, marital status, socioeconomic level and presence of caregiver. The mean age and number of residents were compared between two levels of disability and analyzed by Student's t test. Functional disability and categorical variables were analyzed by Chi-Square test. The risk of disability was measured by logistic regression and expressed as odds ratio with a 95% confidence interval.RESULTS : The prevalence of functional disability was 15. 7% and 26. 2% for basic and instrumental activities, respectively. Women had a significantly higher frequency of disability in basic activities, while this frequency for older age and being widowed was significantly higher for both basic and instrumental activities. The risk of functional disability in basic activities were lower in the elderly with low socioeconomic status (p = 0. 03) and increased with advancing age (p <0. 005). The instrumental activities had the highest number of significant variables in the final logistic regression model, having the same pattern as the basic activities for socioeconomic status (p = 0. 01) and age (p = 0. 001). In comparison with the elderly who never attended school, all other levels of education were significantly protective (p <0. 001). The married state was also protective (p <0. 001).CONCLUSION : The frequency of functional disability was not higher than that described in Brazilian literature, but we found a significant association with socioeconomic status and age for both outcomes and education and marital status for instrumental activities. The primary care services should be alert to socioeconomic and demographic characteristics associated with disability.
URI: http://hdl.handle.net/10923/3728
Appears in Collections:Dissertação e Tese

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
000435689-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo3,78 MBAdobe PDFOpen
View


All Items in PUCRS Repository are protected by copyright, with all rights reserved, and are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License. Read more.