Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/4884
Tipo: masterThesis
Título: Desempenho cognitivo de idosos atendidos pelo programa Estratégia da Saúde da Família (ESF)
Autor(es): Esteves, Cristiane Silva
Orientador: Argimon, Irani Iracema de Lima
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Psicologia
Data de Publicação: 2012
Palavras-chave: PSICOLOGIA CLÍNICA
PSICOLOGIA COGNITIVA
IDOSOS
DEPRESSÃO
MEMÓRIA
FUNÇÃO EXECUTIVA
Resumo: Introdução : É esperado que o processo de envelhecimento normal seja acompanhado pelo declínio natural de habilidades tanto cognitivas, quanto físicas, contudo, não suficientes para causarem prejuízos na vida cotidiana e nem comprometerem a funcionalidade do indivíduo.Objetivos : O presente estudo deu origem a dois artigos, cada um com a sua proposta. O artigo 1 teve como objetivo geral avaliar o desempenho cognitivo de idosos do município de Porto Alegre, analisando as habilidades cognitivas relacionadas com as funções executivas de fluência verbal, linguagem e a memória episódica verbal (evocação imediata, tardia e reconhecimento). Além disso, foram analisadas as possíveis influências das variáveis sociodemográficas nos resultados. O artigo 2 teve como objetivo estimar a prevalência de sintomas depressivos na amostra estudada e analisar a associação entre sintomas depressivos na velhice e funcionamento cognitivo. Para tanto, foram feitas comparações entre o desempenho cognitivo de idosos com e sem sintomas depressivos.Métodos : Os dois estudos tiveram delineamento quantitativo transversal, com a participação total de 306 idosos, com idade entre 60 e 79 anos. A coleta de dados foi realizada no Instituto de Geriatria e Gerontologia da PUCRS. Todos os participantes preencheram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, a Ficha de Dados Sociodemográficos, o Mini-Exame do Estado Mental, a Lista de Palavras da Bateria Cognitiva CERAD, o Teste de Memória Lógica de Weschler, o Teste de Nomeação de Boston, o Teste de Fluência Verbal fonêmica, o Teste de Fluência Verbal Categoria Animais e a Escala de Depressão Geriátrica – versão reduzida.Resultados : O artigo 1 mostrou que os idosos mais jovens (60 a 69 anos) apresentaram melhor desempenho nas tarefas que avaliavam memória episódica verbal (evocação imediata, tardia e reconhecimento), fluência verbal (fonêmica) e linguagem (nomeação) em comparação ao idosos mais velhos (70 a 79 anos). O artigo 2 apontou uma prevalência de sintomas depressivos de 29,41% entre os idosos avaliados. Os resultados mostraram associação entre a presença de sintomas depressivos e o desempenho em tarefas cognitivas. Entretanto, observou-se que a gravidade dos sintomas depressivos não alterou o desempenho cognitivo dos idosos, mas sim a presença de sintomatologia.Conclusões : O estudo mostrou que os idosos com menos idade (60 a 69 anos) tiveram melhor desempenho nas tarefas de memória episódica verbal (evocação imediata, tardia e reconhecimento), linguagem e funções executivas de fluência verbal fonêmica. Observou-se também que a presença de sintomas depressivos levou a um pior desempenho nas tarefas de memória episódica verbal (evocação recente e tardia) e funções executivas de fluência verbal fonêmica. Além disso, observou que a intensidade de sintomas depressivos não afetou de maneira significativa o desempenho cognitivo dos idosos, mas sim a presença de sintomatologia depressiva. Assim, pode-se concluir que, tanto a idade como a presença de sintomatologia depressiva em idosos podem contribuir para um pior desempenho cognitivo.
Introduction : It is expected that the normal aging process is followed by the natural decline of abilities both cognitive and physical, however, not sufficient to cause damage in the everyday life nor compromise the functionality of the individual.Objectives : The present study originated two articles, each one with its proposal. The article 1 had the general goal to evaluate the cognitive performance of elderly people in the city of Porto Alegre, analyzing the cognitive abilities related with the executive functions: verbal fluency, language and verbal episodic memory (immediate recall, delayed and recognition). Besides, were analysed the possible influence of the sociodemographic variables in the result. The article 2 had the goal to estimate the prevalence of depressive symptoms in the studied sample and analyze the association between depressive symptoms in old age and cognitive functioning. To do so, there were made comparisons between the cognitive performance of elderly people with and without depressive symptoms.Methods : Both studies had quantitative crosssectional design, with the participation of a total of 306 seniors, with the ages between 60 and 79. The data collection was realized in the Institute of Geriatrics and Gerontology of PUCRS. All the participants filled the Commitment Term of Consent, the Socio-demographic data sheet, the Mini- Mental State Examination, the Word List of the Cognitive Battery CERAD, the Wechsler Logical Memory Test, the Boston Naming Test, the Phonemic Verbal Fluency, the Verbal Fluency Category Animals and Geriatric Depression Scale - short version.Results : The article 1 showed that younger seniors (60 to 69 years old) showed better performance in the tasks that evaluated their verbal episodic memory (immediate recall, delayed and recognition), verbal fluency (phonemic) and language (naming) in comparison to elderly seniors (70 to 79 years old). The article 2 showed a prevalence between the presence of depressive symptoms of 29,41% among the evaluated seniors. The results showed association between depressive symptoms and performance in cognitive tasks. However, it was observed that the gravity of the depressive symptoms seems not to change the performance in cognitive tasks, but the presence of symptoms.Conclusions : The study showed that elderly patients with younger age (60-69 years) performed better on tasks of verbal episodic memory (immediate recall, delayed and recognition), language and executive functions of phonemic verbal fluency. It was also observed that the presence of depressive symptoms were associated with poorer performance on tasks of verbal episodic memory (immediate recall and delayed), and executive functions of phonemic verbal fluency. Furthermore, we observed that the intensity of depressive symptoms did not affect significantly the cognitive performance of elderly, but the presence of depressive symptoms. Thus, we can conclude that both age and the presence of depressive symptoms in the elderly may contribute to impaired cognitive performance.
URI: http://hdl.handle.net/10923/4884
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000443173-Texto+Parcial-0.pdfTexto Parcial911,39 kBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.