Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://hdl.handle.net/10923/5410
Tipo: doctoralThesis
Título: A toninha, Pontoporia blainvillei (Mammalia: Cetacea), no litoral norte do Rio Grande do Sul: mortalidade acidental em redes de pesca, abundância populacional e perspectivas para a conservação da espécie
Autor(es): Schiavon, Daniel Danilewicz
Orientador: Fontoura, Nelson Ferreira
Editor: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Zoologia
Fecha de Publicación: 2007
Palabras clave: ZOOLOGIA
CETÁCEOS
TONINHA - RIO GRANDE DO SUL
PESCA
CONSERVAÇÃO DAS ESPÉCIES - BRASIL
Resumen: A toninha, Pontoporia blainvillei, é a espécie de pequeno cetáceo mais ameaçada na América do Sul, devido às capturas acidentais em redes de pesca em toda sua distribuição geográfica. Na costa do Brasil, a região onde a espécie sofre os mais altos níveis de mortalidade acidental é o Rio Grande do Sul. A presente tese apresenta os resultados de três trabalhos distintos relacionados a aspectos populacionais e da conservação da espécie: um estudo sobre a mortalidade causada pelas capturas acidentais em redes de pesca, uma estimativa de abundância populacional, e um ensaio crítico sobre perspectivas de conservação, recomendações de políticas públicas e medidas de manejo para a pesca. Com os objetivos de apresentar estimativas de mortalidade atualizadas, identificar épocas do ano, tipos e tamanho de rede de pesca e faixas de profundidades com maior risco de captura, foi realizado entre 2002 e 2004, no litoral norte do Rio Grande do Sul, um estudo sobre as interações da pesca e a toninha. As comunidades de pesca de Torres e Tramandaí foram monitoradas durante 350 dias para seleção das embarcações colaboradoras, condução de entrevistas com pescadores e distribuição dos cadernos de bordo e embarques acompanhando as operações de pesca. No total, foram coletados dados relativos a 823 operações de pesca realizadas pelas treze embarcações monitoradas. Foram registradas as capturas acidentais de 99 toninhas em 74 eventos de captura.A mortalidade anual de toninhas foi extrapolada para as 31 embarcações da pesca comercial costeira que atuam em Torres e Tramandaí, resultando em duas estimativas, dependendo do índice empregado: 429 animais (IC 95%: 168 – 853) utilizando CPUE e 353 toninhas (IC 95%: 171 – 629) utilizando taxa de captura. Os resultados desse trabalho não apontam soluções rápidas e fáceis para a mitigação das capturas acidentais da toninha através de restrições de áreas, artes e épocas de pesca. As capturas acidentais de toninhas ocorreram em profundidades variando de 9 a 40 m, havendo uma leve propensão das capturas diminuírem à medida que a profundidade aumenta. Não foram detectadas diferenças significativas entre as redes de corvina e brota/pescada, as duas redes de espera mais empregadas na região. O inverno é a estação do ano com maior mortalidade relativa de toninhas. Apesar do notável aumento no esforço de pesca nos últimos 15 anos, as taxas de capturas de toninhas se mantiveram praticamente inalteradas, reforçando que a população de toninhas do Rio Grande do Sul está declinando em tamanho. A estimativa da abundância para espécie tem sido sistematicamente recomendada como uma alta prioridade de pesquisa para a espécie. Os resultados de um segundo levantamento aéreo realizado em março de 2004 no Rio Grande do Sul é apresentado. Transectos lineares com padrão de zig-zag foram seguidos desde a linha da costa até uma distância média de 24 km em direção à mar aberto. A área total monitorada compreendeu 13. 341 km2. Abundância foi estimada utilizando o programa Distance sampling assumindo g0 = 0. 304. Durante 48 transectos e um esforço total de 1256. 8 km, foram registradas 31 toninhas em 25 grupos. A densidade corrigida é 0. 51/toninhas/km2, resultando em uma estimativa de abundância de 6. 839 toninhas (95% CI = 3,709-12,594) para a área coberta.A taxa de encontro para grupos de toninha é de 0. 02 grupos por cada km sobrevoado. A estimativa de abundância apresentada aqui é restrita apenas para a área monitorada e extrapolações para a distribuição restante da espécie são fortemente desaconselhadas. Embora estudos de abundância de toninha tenham mostrado progressos recentes, ainda há muitos pontos a ser melhorados. Os aspectos críticos são: (a) um valor de erro de percepção deve ser estimado; (b) os parâmetros influenciando o erro de disponibilidade devem ser melhorados; (c) tamanho amostral deve ser aumentado. O atual grau de conhecimento sobre a toninha e suas ameaças tem direcionado a pergunta de quando terá início alguma ação concreta para a conservação da espécie? No entanto, a questão mais importante agora não é quando, mas sim como o manejo deve ser implementado. Em minha opinião, o problema das capturas acidentais da toninha requer um modelo de manejo adaptativo caracterizado por um monitoramento contínuo dos indicadores que aferem o progresso das medidas propostas. Quatro proposições de manejo para a pesca que exerce impacto sobre as populações de toninha são comentadas criticamente: o uso de alarmes acústicos em redes, a criação de áreas marinhas protegidas, a redução do esforço de pesca, a modificação das redes de pesca.As seguintes recomendações relativas à implementação de medidas de manejo são propostas e discutidas: (1) ações de manejo não devem ser vistas como uma solução final; (2) o sucesso das ações de manejo devem ser monitoradas a longo prazo; (3) ações de manejo não devem ser inviáveis logisticamente para fiscalização; (4) ações de manejo devem contar com ampla disseminação de informação; (5) ações de manejo devem contar com a concordância e participação de parte das comunidades de pesca envolvidas; (6) ações de manejo devem ter uma abrangência nacional; (7) o impacto econômico das medidas de manejo deve ser previamente estudado; (8) ações de manejo devem ser acompanhadas de pesquisa.
Bycatch in demersal coastal gillnets is the main conservation problem faced by the franciscana, Pontoporia blainvillei. The highest rates of mortality for this species in Brazil are found on Rio Grande do Sul’s coast area. This thesis presents the results of three different research works related to the conservation and population biology of franciscanas in Rio Grande do Sul: a study on the bycatch mortality, an abundance estimation, and a critical essay on the conservation perspectives fo the species. Between January 2002 and December 2004, the fisheries communities of Torres and Tramandaí were visited during 350 days in order to obtain data about the fishery, to select the fishery vessels that could collaborate with the project, to interview the fishermen and to distribute logbooks to the vessels´ masters. In addition, 33 onboard observations were carried out to obtain direct information on the fishery-franciscana interactions. Data from 823 fishery operations and thirteen fishery vessels were collected. During this study, the bycatch of 99 franciscanas in 74 fishery operations were recorded. The annual mortality estimate extrapolated for 31 fishery vessels that operate in Torres and Tramandaí, utilizing CPUE in the calculations, is 429 animals (CI 95%: 168 – 853). When the mortality rate is utilized in the calculations, the annual estimate is 353 animals (CI 95%: 171 – 629). The estimates presented here confirm the high rates of bycatch faced by the species in Rio Grande do Sul, with very similar estimates with those presented for the 1992-97 period in the same region. The results of this paper do not point out fast and easy solutions for the fishery-franciscana problematic in Rio Grande do Sul, thought the restrictions of areas, seasons or fishery gear. Franciscana bycatch occurs in water depths varying from nine to 40 meters, with a slight decrease in the catches as the water depth increases.Demersal gillnets present higher bycatch rates than surface gillnets. Nevertheless, it was not detected statistical differences in the franciscana catchability between the gillnet set for croakers and the one set for weakfishes and hake, the two kinds of nets more employed in Rio Grande do Sul. Two peaks were noticed in total mortality estimates: one in winter and another in summer. Nevertheless, regarding the relative mortality, the winter is the season presenting the highest mortality estimates. In spite of the remarkable increase in the fishery effort in the last 15 years in Rio Grande do Sul (e. g. about 500% in nets length), the franciscana mortality rates remained almost unaltered, corroborating that the population that inhabits this region is declining in size. The estimation of the species abundance has been systematically recommended as a highest research priority. The results of the second aerial survey carried out in March 2004 for franciscana abundance in Rio Grande do Sul, southern Brazil, are presented. Linetransect with a zigzag pattern were followed between the shoreline and a mean distance of 24 km offshore. The overall surveyed area comprised 13. 341 km2. Abundance was estimated using Distance sampling assuming g0 = 0. 304. During the 48 transects and a total effort of 1256,8 km, 31 franciscanas were observed in 25 groups. The corrected density is 0. 51 franciscanas/km2, resulting in an abundance estimation of 6,839 franciscanas (CV = 32%; 95% CI = 3,709-12,594) for the surveyed area in Rio Grande do Sul. The encounter rate for franciscana groups was 0. 020 groups for each km surveyed. The abundance estimate presented is restricted only to the area covered in the survey and extrapolation for the whole species distribution range is not recommended. Although franciscana abundance studies have been showing recent progresses, there is still much room for improvement.The critical points to be improved are: (a) a perception bias value should be firstly estimated; (b) the parameters influencing availability bias should be improved; (c) sample size should be increased. While the lack of factors to correct for perception bias and group size underestimation in aerial surveys leads to an underestimation of franciscana abundance, the use of surfacing and diving time data from boat and land-based surveys to correct for availability bias is likely to cause its overestimation. Since the magnitude of both errors is unknown, it should not be assumed that one error balance the other. The present knowledge on the the franciscana and its threats frequently raises the following question: when management action on the fishery should take place. However, the pertinent question now in not when, but how management actions should be implemented. In my view, the franciscana bycatch problem requires an adaptive management model characterized by a program of continual monitoring of indicators that measure progress toward goals. Four management propositions for the fishery that affect the franciscana are critically comented: the use of acoustic alarms, the criation of marine protected areas, the restriction of fishery effort and the modification of fishery gear.
URI: http://hdl.handle.net/10923/5410
Aparece en las colecciones:Dissertação e Tese

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción TamañoFormato 
000402507-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo1,07 MBAdobe PDFAbrir
Ver


Todos los ítems en el Repositorio de la PUCRS están protegidos por derechos de autor, con todos los derechos reservados, y están bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional. Sepa más.