Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://hdl.handle.net/10923/6744
Tipo: doctoralThesis
Título: Pessoa idosa em lista de espera e residente em instituição de longa permanência: possíveis diferenças na qualidade de vida
Autor(es): Araújo, Andrea Mendes
Orientador: Bós, Ângelo José Gonçalves
Editor: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica
Fecha de Publicación: 2014
Palabras clave: GERONTOLOGIA
ENVELHECIMENTO
IDOSOS
QUALIDADE DE VIDA
INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS
Resumen: Introduction: Increased longevity, changes in family conditions and lack of political structure to meet the specifics of the elderly population, provide the increased demand for long-term institutions that go beyond the need for housing, but also for health care. When comparing the quality of life of institutionalized with the non-institutionalized population, studies show the negative effect of these institutions on the quality of life of the elderly. Objective: To evaluate possible differences in the quality of life of elderly people on waiting lists, residents in long-term institutions and those who are not waitlisted nor show interest in residing in such institution. Method: A quantitative, cross-sectional study with three groups - elderly people on a waiting list to live in long-stay institutions (waitlisted), residents of long- stay institutions (resident) and everyone not on waiting list or wishing to reside in long-term (control) of the city of João Pessoa - PB institutions. Fifty respondents in each group answered a questionnaire using standard assessment tools for quality of life: WHOQOL BREF and WHOQOL OLD. Results: The sample was predominantly female 76%, mean age between groups differed less than 2. 5 years (p=0. 2166) and years of study ranged between 6. 3 in the resident and 7. 2 for the control (p=0. 70). The most cited reasons for institutionalization were: own option and the lack of caregiver for resident and waitlisted groups, while be alone for a long time was an important reason also for the resident. Religious (p=0. 0140), leisure time (p<0. 0001) and domestic (p=0. 0003) activities were developed by the group least expects. There was no significant difference in functional capacity between the groups (p=0. 2019). There was significant difference in the quality of life in all areas and issues of the WHOQOL BREF among the three groups, the mean total scores were: 62. 0±10. 61, 44. 1±13. 63 and 68. 8±7. 07, respectively for the resident, waitlisted and control groups. Important differences were also identified in the evaluation of the WHOQOL OLD. The total score for the resident was 60. 4±9. 88, waitlisted to 48. 5±12. 15 and 68. 5±7. 90 for the control (p<0. 0001). The only facet that no statistical difference was death and dying in the comparison of the three groups. Conclusion: We found a clear difference in quality of life among existing resident, waitlisted and control groups, and the scores of the resident were closer to the control group and those produced by the waitlisted were invariably lower. Therefore, it is considered that institutionalization does not provide poorer quality of life of the elderly. The perception of this quality can already be compromised when seeking institutionalization.
Introdução: Maior longevidade, mudanças no contexto familiar e falta de estruturação política para atender às especificidades da população idosa, proporcionam o aumento na demanda por instituições de longa permanência que passam a assistir, além da necessidade de moradia, os cuidados com a saúde. Ao comparar a qualidade de vida da população institucionalizada com a não institucionalizada, pesquisas apontam o efeito negativo dessas instituições na qualidade de vida da pessoa idosa. Objetivo: Avaliar possíveis diferenças na qualidade de vida da pessoa idosa em lista de espera, residente em instituição de longa permanência, e daquela que não está em lista de espera nem demonstra interesse em residir na instituição.Método: Estudo quantitativo, transversal, com três grupos - pessoas idosas em lista de espera para residir em instituição de longa permanência (espera), residentes em instituições de longa permanência (residente) e pessoas que não constam em lista de espera e não desejam residir em instituições de longa permanência (controle) da cidade de João Pessoa-PB. Foram estudados 50 respondentes de cada grupo, sendo realizada avaliação da qualidade de vida através dos instrumentos WHOQOL BREF e WHOQOL OLD. Resultados: Amostra predominantemente do sexo feminino 76%, com média de idade entre os grupos variando no máximo em 2,5 anos (p=0,2166) e os anos de estudo variando entre 6,3 no residente e 7,2 no controle (p=0,7002). Os motivos para a institucionalização mais citados foram: opção própria e falta de cuidador pelos grupos espera e residente, sendo que ficar sozinho por muito tempo também foi um importante motivo para o residente. Atividade religiosa (p=0,0140); de lazer (p<0,0001) e doméstica (p=0,0003) foram menos desenvolvidas pelo grupo espera. Não existiu diferença significativa na capacidade funcional entre os grupos (p=0,2019). Encontrou-se diferença significativa na avaliação da qualidade de vida em todos os domínios e questões do WHOQOL BREF entre os três grupos, com as médias do escore total de: 62,0±10,61, 44,1±13,63 e 68,8±7,07, respectivamente, para os grupos residente, espera e controle. Importantes diferenças também foram identificadas na avaliação do WHOQOL OLD. O escore total para o residente foi de 60,4±9,88; para o grupo espera de 48,5±12,15 e para o controle de 68,5±7,90 (p<0,0001). A única faceta em que não houve diferença estatística foi morte e morrer na comparação dos três grupos. Conclusão: Constatou-se evidente diferença na qualidade de vida existente entre os grupos residente, espera e controle, sendo que os escores do residente foram mais próximos ao do controle e o produzido pelo grupo espera foi invariavelmente inferior. Portanto, considera-se que a institucionalização não proporciona piora na qualidade de vida da pessoa idosa. A percepção dessa qualidade pode já estar comprometida quando se procura a institucionalização.
URI: http://hdl.handle.net/10923/6744
Aparece en las colecciones:Dissertação e Tese

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción TamañoFormato 
000460137-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo3,01 MBAdobe PDFAbrir
Ver


Todos los ítems en el Repositorio de la PUCRS están protegidos por derechos de autor, con todos los derechos reservados, y están bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional. Sepa más.