Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/6932
Tipo: doctoralThesis
Título: Aspectos da formação do estudante de graduação em fonoaudiologia na clínica da voz: por uma abordagem enunciativa Bakhtiniana
Autor(es): Cronemberger, Flávia Fialho
Orientador: Di Fanti, Maria da Glória Corrêa
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Letras
Data de Publicação: 2014
Palavras-chave: FONOAUDIOLOGIA - FORMAÇÃO PROFISSIONAL
BAKHTIN, MIKHAIL MIKHAILOVITCH - CRÍTICA E INTERPRETAÇÃO
VOZ
Resumo: Analysis of the academic and scientific history of speech therapy within the field of voice therapy revealed the predominant presence of three different theoretical conceptions in its foundation: clinical therapy from a more positivist/organicist approach, clinical therapy from a more psychoanalytical perspective, and clinical therapy from within the perspective of Bakhtin’s philosophy, or “intersubjective therapy” (MASINI, 2004). An analysis of the relevant literature published in Brazil revealed the predominance of an organicist social-historical memory in voice therapy, an approach that focuses on the disorder rather than on the subject/patient. This analysis raised questions regarding which theoretical conceptions underlie the work of professors who currently teach voice courses and, principally, those supervising training courses. What kind of speech therapists are being prepared to work in voice therapy: therapists who focus exclusively on the disorder and/or those who recognize the patient in his/her individual complexity? If professors are indeed working with a more organicist conception of clinical therapy, what are the consequences of this type of action in the preparation of students/future speech therapists?Therefore, the principal objective of this study was to observe and analyze aspects related to the training process of a group of undergraduate speech therapy students during supervised practice in the field of voice therapy, with a view towards reflecting on the importance of being attentive, within this learning space, to the constitutive socio-historicity of the subjects participating in it. This was a longitudinal, qualitative study based on Bakhtinian principles as applied to studies in the field of human sciences. The study included filmed recordings of supervised sessions and of some clinical visits, as well as interviews held with a group of female students, two professors and two patients, all of whom participated in a supervised training course for one semester (the second semester of 2011) in an institute of higher education. Of the recordings and observations made, utterances made by one of the professors, a group of female students and one of the patients during a clinical visit were selected and analyzed. Based on this analysis, intertwined voices (of the academic-scientific history of speech therapy, of the professor, of the students, of the patient, etc. ) were found, reflecting more valuations of the organicist/technicist conception throughout the training period analyzed. It was found that the student speech therapists gave little importance to listening to the voices of the patient during therapy, either in their understanding of clinical treatment as a space in which the organicist theory is strengthened or when attempting to observe the subject in a fragmented (biologizing) manner rather than in his/her constitutive complexity. It was found that the student speech therapists gave little importance to listening to the voices of the patient during therapy, since they understood clinical treatment as a space in which the organicist theory is given greater weight; hence they observed the subject in a fragmented (biologizing) manner rather than in his/her constitutive complexity. It is possible that, when incorporated into voice therapy training, the Bakhtinian concepts of discourse and utterance will help improve students understanding of the singularities and complexities involved in each therapeutic process, including those that deal with the biologizing approach of each subject, thus contributing towards rendering clinical visits and supervisions more effective.
Analisando a história acadêmico-científica da Fonoaudiologia na área da clínica da voz, verifica-se a predominância da presença de três diferentes concepções teóricas embasando-a: a clínica estudada por um viés mais positivista/organicista, a clínica com uma perspectiva mais psicanalítica e a clínica compreendida pela filosofia bakhtiniana, nomeada como “clínica da intersubjetividade” (MASINI, 2004). Reconhecendo, por meio de análises de periódicos nacionais, o predomínio de uma memória sócio-histórica organicista no horizonte fonoaudiológico na área da clínica da voz, questiona-se a partir de quais concepções teóricas, nos dias atuais, os professores que ministram as disciplinas em voz e, principalmente, os estágios supervisionados estão trabalhando. Que terapeutas/fonoaudiólogos estão sendo formados para trabalhar na clínica da voz? Aquele que só vê a doença e/ou aquele que percebe o sujeito em sua complexidade?Caso o professor esteja trabalhando com uma concepção mais organicista de clínica, quais as consequências desse tipo de ação na formação dos estudantes/futuros fonoaudiólogos? Nesse sentido, o objetivo principal desta pesquisa é observar e analisar aspectos constituintes do processo de formação de um grupo de alunos de graduação em Fonoaudiologia em um estágio supervisionado na área da voz, visando refletir sobre a importância de se estar atento, nesse espaço de formação, à sócio-historicidade constitutiva dos sujeitos dele participantes. Este estudo é uma pesquisa longitudinal de caráter qualitativo que segue princípios bakhtinianos concernentes à pesquisa no campo das ciências humanas. Foram filmadas supervisões, alguns atendimentos clínicos e realizadas entrevistas com um grupo de alunas, uma professora e duas pacientes que compuseram por um semestre letivo (2011/2) um estágio supervisionado em uma instituição de ensino superior. Das gravações e observações realizadas, foram selecionados e analisados enunciados de uma professora, de um grupo de alunas e de uma paciente em atendimento.A partir das análises, verificou-se um entrecruzamento de vozes (da história acadêmico-científica da Fonoaudiologia, da professora, das estudantes, da paciente etc. ) que refletiu, ao longo das observações e análises, maiores valorações à concepção organicista/tecnicista. Observou-se que o fonoaudiólogo em formação, ao compreender mais a clínica como um espaço em que se amplia a teoria organicista e observar o sujeito de forma fragmentada (biologizante), não em sua complexidade constitutiva, pouco valorizou a escuta das vozes da paciente no processo terapêutico. Pondera-se que a abordagem enunciativo-discursiva bakhtiniana, quando incorporada à formação do aluno na área da voz, pode ajudar o estudante a compreender mais as singularidades e complexidades que envolvem cada processo terapêutico, inclusive as que remetem ao lado biologizante de cada sujeito, contribuindo para a realização de atendimentos clínicos e supervisões mais efetivas.
URI: http://hdl.handle.net/10923/6932
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000462716-Texto+Parcial-0.pdfTexto Parcial461,75 kBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.