Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://hdl.handle.net/10923/7053
Registro completo de metadatos
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorMello, Ana Maria Lisboa dept_BR
dc.contributor.authorSouza, Maria Alice Timm dept_BR
dc.date.accessioned2015-03-05T02:01:04Z-
dc.date.available2015-03-05T02:01:04Z-
dc.date.issued2014pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10923/7053-
dc.description.abstractO sentido de “exílio de si” que foi privilegiado neste trabalho se constitui em um tipo de exílio que não é escolhido e tampouco é imposto de fora, pois a sua ocorrência se relaciona com uma injunção estrutural, da ordem do psiquismo. Sendo assim, o “exílio psíquico” condena o sujeito a um sentimento de radical estranheza íntima onde o que prevalece é a ininteligibilidade do mundo e de si mesmo. Do ponto de vista da teoria psicanalítica, esta entidade é denominada de psicose; do ponto de vista do uso corrente da língua, é chamada de loucura. Através de um corte transversal que vai da biografia de Elias Canetti, da época em que o escritor viveu e de suas relações com a língua alemã e com a literatura, procuramos identificar no personagem Peter Kien e no romance Auto de Fé, os pontos que apoiam a nossa hipótese em relação ao “exílio de si”: que o uso que Canetti faz da linguagem propiciou-lhe fazer uma perfeita representação do esfacelamento psíquico que assola o protagonista do romance em suas relações com o mundo e com os outros personagens, assim como esta questão subjetiva cumpre o papel de metáfora de um mundo em fragmentação, não só daquele que lhe serviu de matéria-prima para a confecção da obra, como do mundo de hoje, que nada mais é do que a consequência lógica e direta do que já se anunciava no alvorecer do século XX.pt_BR
dc.description.abstractThe meaning of “self-exile” that has been used in this work, constitutes itself in a kind of exile that is not chosen, neither imposed externally, because its occurrence is related to a structural injunction, from the psychism order. This way, the “psychic exile”, comdemns the person to a radical intimate weirdness feeling, where the world and the oneself unintelligibility prevails. From the psychoanalytic standpoint, this entity is called psychosis; from the current use of the language standpoint, it is called madness. Through a transversal cut in Elias Canetti biography, from the time the writer lived in and his relations to the German language, culture and literature, it is possible to identify in Peter Kien character and in the novel Auto de Fé, the points that support our hypothesis related to the “self exile”: that the use of the language that Canetti does, enables him to make a perfect representation of the psychic laceration that hits the novel protagonist, according to his relations to the world and to the other characters, as well as the subjective question fulfills the metaphor role of a world under fragmentation, not only from the one that was used as raw material for the work, also from the world today, that is nothing but the logical and direct consequence that was already announced at the beginning of the XX century.en_US
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.publisherPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.rightsopenAccessen_US
dc.subjectLITERATURA ALEMÃ - HISTÓRIA E CRÍTICApt_BR
dc.subjectMETÁFORApt_BR
dc.subjectCULTURA - SÉCULO XXpt_BR
dc.subjectCANETTI, ELIAS - CRÍTICA E INTERPRETAÇÃOpt_BR
dc.subjectEXÍLIOpt_BR
dc.titleO exílio de si como metáfora de um mundo em fragmentação: um estudo sobre Elias Canettipt_BR
dc.typemasterThesispt_BR
dc.degree.grantorPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sulpt_BR
dc.degree.departmentFaculdade de Letraspt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Letraspt_BR
dc.degree.levelMestradopt_BR
dc.degree.date2014pt_BR
dc.publisher.placePorto Alegrept_BR
Aparece en las colecciones:Dissertação e Tese

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción TamañoFormato 
000466022-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo925,07 kBAdobe PDFAbrir
Ver


Todos los ítems en el Repositorio de la PUCRS están protegidos por derechos de autor, con todos los derechos reservados, y están bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional. Sepa más.