Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/7474
Tipo: masterThesis
Título: Efeitos do exercício físico na memória e comportamento ansioso de camundongos expostos à separação materna
Autor(es): Wearick-Silva, Luis Eduardo
Orientador: Grassi-Oliveira, Rodrigo
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Pediatria e Saúde da Criança
Data de Publicação: 2015
Palavras-chave: MEDICINA
PEDIATRIA
EXERCÍCIOS FÍSICOS
MEMÓRIA
EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL
ANSIEDADE
Resumo: Introduction: The exposure to early life stress (ELS) has been associated with different psychopathologies in adulthood such as mood- and anxiety-related behaviors. In animal research, the maternal separation paradigm has been widely used to investigate the longterm effects of ELS. Considering the negative effects of ELS on development, evidences suggesting that exercise could attenuate or even reverse such effects are beginning to emerge. This article aimed to investigate the impact of physical exercise on anxiety-like behavior and spatial memory in mice exposed to maternal separation. Method: Litters were assigned to one of 4 groups: The MS animals were subjected to a procedure where pups were separated from their dams daily for 180 minutes, from postnatal days (P) 2 to 15. The exercise protocol was performed at P24 and consisted of one week of habituation to treadmill and 3 weeks of exercise, with 60 min of duration at 10 m/min for 5 days a week. The performance in an open field test was evaluated to assess locomotor activity and anxiety-like behavior. Object recognition was also performed to investigate the effects of MS and exercise on spatial memory. Results: Both maternal separation and exercise increased locomotor activity in the open field. However, anxiety-like behavior was not affected by MS or exercise. In object recognition, all groups presented the same exploratory behavior. However, MS impaired the capability to recognize the new object, suggesting impairment in spatial memory. In time, MS mice that exercised were able to reverse the negative effects of MS, showing a performance similar to the control group (AFR). Taken together, our results suggest that the disruption of the normal development course—here via maternal separation paradigms—is harmful to a good development and may result in cognitive and behavioral difficulties in adulthood. Furthermore, the early engagement in a program of exercise can be effective in reversing the impairments of ELS.
Introdução: A exposição ao estresse no início da vida está associada com diferentes psicopatologias na fase adulta como transtornos de humor e ansiedade. Em pesquisas com modelos animais, o paradigma de separação materna é amplamente utilizado para investigar os efeitos de longo prazo do estresse no início da vida. Considerando os efeitos negativos do estresse no desenvolvimento, começam a surgir evidências que o exercício poderia atenuar ou até mesmo reverter os efeitos deletérios do estresse. Este trabalho se propôs a investigar o impacto do exercício físico no comportamento ansioso e memória espacial de camundongos fêmeas expostas a separação materna.Método: Os filhotes foram expostos a um protocolo de separação materna no qual eram separados da mãe diariamente por 180 minutos, do segundo dia pós natal (P2) ao P15. O protocolo de exercício físico foi realizado no P24, e consiste em uma semana de habituação a esteira elétrica e três semanas de exercício, com 5 sessões por semana de 60 minutos cada, a uma velocidade de 10m/min. O comportamento no teste de campo aberto foi avaliado para investigar a atividade locomotora e o comportamento ansioso. O teste de reconhecimento de objetos foi realizado para investigar o efeito do exercício e da separação materna na memória espacial. Resultados: A separação maternal e o exercício aumentaram a atividade locomotora dos animais no teste de campo aberto. O comportamento ansioso não foi afetado pela separação materna ou exercício. No reconhecimento de objetos, todos os grupos apresentaram o mesmo comportamento exploratório. Entretanto, a separação materna prejudicou a capacidade de reconhecimento do objeto novo, sugerindo um prejuízo na memória espacial. Ainda, os animais separados da mãe que realizaram o protocolo de exercício foram capazes de reverter os efeitos negativos da separação materna, onde mostraram um resultado semelhante ao grupo controle. Conclusões: Nossos resultados sugerem que a interrupção do curso normal do desenvolvimento, aqui realizados através da separação materna é prejudicial para um bom desenvolvimento e pode levar a dificuldades cognitivas e comportamentais na vida adulta. Além disso, a participação precoce em um programa de exercícios físicos pode ser efetivo para reverter os prejuízos causados pelo estresse no início da vida.
URI: http://hdl.handle.net/10923/7474
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000472323-Texto+Parcial-0.pdfTexto Parcial119,11 kBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.