Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/1404
Tipo: doctoralThesis
Título: Efeitos neuroimunoendócrinos do estresse por abuso físico ou negligência na infância em mulheres com depressão maior
Autor(es): Lopes, Rodrigo Pestana
Orientador: Bauer, Moisés Evandro
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular
Data de Publicação: 2011
Palavras-chave: BIOLOGIA CELULAR
BIOLOGIA MOLECULAR
DEPRESSÃO
TRAUMAS PSICOLÓGICOS
NEUROENDOCRINOLOGIA
IMUNOLOGIA
MULHERES
Resumo: INTRODUCTION: Traumatic events experienced in childhood may lead to psychiatric diseases in adult life, including major depressive disorder (MDD). It is still obscure to what extent early life stress is associated with biological relevant changes in MDD. OBJECTIVES: To investigate both neuroendocrine and immunological correlates in recurrent MDD with history of childhood maltreatment (CMT) and current PTSD symptoms. METHODS: Thirty-eight female MDD patients with or without childhood trauma and 19 healthy controls took part in this study. Results from this work were presented in 3 original scientific articles and one scientific review. Evaluations included the detection of salivary levels of cortisol and dehydroepiandrosterone sulphate (DHEAS), assessed by radioimmunoassay; induced mitogenesis of isolated T-cells and cellular sensitivity to synthetic (dexametasone) and natural (epinephrine and DHEAS) substances were evaluated by colorimetric assays; Th1/Th2 cytokines (IL-2, IL-4, IL-6, IL-10, TNF-a, IFN-g) were assessed by flow cytometry; plasma levels of BDNF, TNF-a and its soluble receptors (sTNFR1 and sTNFR2) were assessed by ELISA. RESULTS: MDD patients with or without previous trauma had similarly lower salivary cortisol and DHEAS in parallel with blunted T-cell proliferation. PBMCs of depressives were significantly less sensitive to dexamethasone (DEX) or epinephrine (EPI) than controls. PBMCs of MDD patients produced significantly lower IL-2, IL- 4 and TNF-a levels when compared to healthy controls. MDD patients also presented higher plasma sTNFR1 and sTNFR2 levels and reduced plasma BDNF. CONCLUSION: Even though several biological changes have been detected in MDD subjects when compared to controls, few alterations were correlated to early life stress. Therefore, we conclude that a history of early life stress did not modify the blunted neuroendocrine and immunological alterations presented by recurrent depressed patients.
INTRODUÇÃO: Sabe-se que experiências traumáticas na infância podem levar ao surgimento de distúrbios psiquiátricos na vida adulta, incluindo a depressão maior (DM). Contudo, ainda se desconhece o grau de alterações biológicas que eventos estressores traumáticos vivenciados na infância podem produzir em indivíduos com depressão. OBJETIVOS: Investigar parâmetros neuroendócrinos e imunológicos em mulheres adultas deprimidas, com sintomas de Estresse Pós- Traumático (TEPT) e história de abuso e negligência infantil (ANI).MÉTODOS: Trinta e oito mulheres com DM com ou sem história de abuso e negligência infantil e sintomas de TEPT e 19 mulheres saudáveis fizeram parte da coleta de dados desta tese. Os resultados deste trabalho foram divididos em 3 artigos científicos originais e uma revisão do tema. As avaliações incluíram dosagens de níveis salivares de cortisol e de sulfato de dehidroepiandrosterona (DHEAS) por radioimunoensaio; a mitogênese induzida de linfócitos T de sangue periférico foi avaliada por ensaio colorimétrico, bem como a sensibilidade de linfócitos T a moduladores sintéticos (dexametasona) e naturais (epinefrina e sulfato de dehidroepiandrosterona); a secreção de citocinas de perfis Th1/Th2 (IL-2, IL-4, IL-6, IL-10, TNF-a, IFN-g) por células mononucleares foi identificada por citometria de fluxo; e os níveis plasmáticos de BDNF, além de TNF-a e seus receptores solúveis (sTNFR1 e sTNFR2), foram identificados por ELISA. RESULTADOS: Pacientes deprimidas com ou sem trauma infantil apresentaram níveis reduzidos e semelhantes de cortisol salivar e DHEAS em paralelo com proliferação reduzida de linfócitos T. As células mononucleares de sangue periférico das pacientes deprimidas foram menos sensíveis à dexametasona (DEX) ou epinefrina (EPI) e produziram níveis significativamente reduzidos de IL-2, IL-4 e TNF-a quando comparadas ao grupo de controles. As pacientes deprimidas apresentaram ainda níveis plasmáticos elevados de sTNFR1 e sTNFR2, além de redução dos 6 níveis de BDNF. CONCLUSÕES: Embora muitas alterações biológicas tenham sido identificadas nas mulheres com DM em relação ao grupo de mulheres saudáveis, poucas foram correlacionadas com história de abuso e negligência na infância. Sendo assim, de uma forma geral, conclui-se que a história de abuso e negligência na infância não impacta significativamente as alterações neuroendócrinas e imunológicas apresentadas por pacientes com depressão maior.
URI: http://hdl.handle.net/10923/1404
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000431890-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo1,7 MBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.