Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://hdl.handle.net/10923/16349
Tipo: doctoralThesis
Título: Antropotécnica criminal: a arte de punir e o homem operável
Autor(es): Silva, David Leal da
Orientador: Amaral, Augusto Jobim do
Gauer, Ruth Maria Chittó
Editor: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais
Fecha de Publicación: 2019
Palabras clave: POLÍTICA CRIMINAL
ANTROPOLOGIA CRIMINAL
CRIMINOLOGIA
BIOPOLÍTICA
VIOLÊNCIA
DIREITO
Resumen: Na linha de pesquisa em Violência, Crime e Segurança Pública do Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, a presente tese analisa o conceito da antropotécnica com o objetivo de explorar as manifestações desse conceito, resgastando-se suas primeiras elaborações. Desde a última década do séc. XX, o conceito foi utilizado por alguns teóricos para reorientar o pensamento ocidental a respeito do ser humano e da violência. A antropotécnica tem passado despercebida pela pesquisa em ciências criminais. Sua história, em que pese ignorada, revela uma intimidade originária com o advento da criminologia, justificando essa empreitada de retomada interpretativa deste campo. A antropotécnica foi apresentada, primeiramente, no âmbito das discussões da antropologia criminal e do positivismo criminológico como uma técnica biopolítica de governo do homem sobre si mesmo e sobre seus semelhantes, no período de transição do séc. XIX para o séc. XX, quando se procurou demarcar o espaço de mais uma importante ciência do controle social que nascia, que chegou a ser discutida também no cenário brasileiro. De lá para cá, novos horizontes levaram o conceito a se reformular e, desde as últimas décadas, a antropotécnica tem mostrado a ampliação do seu alcance sobre problemas que envolvem o paradigma da transformação humana, encontrando um terreno fértil nas atuais discussões sobre transumanismo, aprimoramento humano, cibermundo, uso de medicamentos destinados à expansão das funções cognitivas, tecnologias da convergência e psicopatologias relacionadas à própria antropotécnica.Diversos foram os autores que contribuíram para o refinamento das lógicas antropotécnicas, desde as suas primeiras formulações. Considera-se que, na atualidade, Peter Sloterdijk tem sido um dos pensadores mais destacados no desenvolvimento conceitual da antropotécnica, mas no final do séc. XIX, Leonce de Manouvrier já lançava suas primeiras apostas nessa invenção teórica. Todas essas questões permitem questionar sobre as condições de possibilidade de criação do conceito da antropotécnica criminal. Neste sentido, a antropotécnica se insere no âmbito de discussões biopolíticas. Desde o racismo do séc. XIX – que operou junstamente com o apoio de definições científicas, cujos desdobramentos permitiram a adoção de políticas de cunho eugenista, especialmente nos assuntos envolvendo crime e hereditariedade – até chegar ao complexo tema do terrorismo e da domesticação pela promoção tecnopolítica da paz por meio da guerra, o âmbito de incidência destes discursos se torna uma parada obrigatória para o pensamento político criminológico, que encontrará na questão da técnica uma possibilidade de abertura para novos caminhos da crítica. Trata-se, portanto, de se apresentar a tese da antropotécnica criminal a partir do resgate do conceito da antropotecnia e responder ao problema de delimitação do conceito e dizer como a antropotécnica se caracteriza na área criminal nos dias de hoje.
In the resarche line on Violence, Crime and Public Security research line of the Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul’s Graduation Program in Criminal Sciences, this thesis analyzes the concept of anthropotechnie with the objective of constructing the idea of criminal antropotécnica. Since the last decade of the twentieth century, the concept of anthropothcnic was used, by some theorists, to reorient the occidental thinking about the human being and the violence. Such concept has gone unnoticed by research in the criminal sciences. Its history, even though ignored, reveals an original intimacy that renders impracticable its interpretative recovery. anthropothecnic was attached in the discussion of criminal anthropology and criminological positivism as a biopolitical technique of man's rule over himself and his peers in the transition period of the nineteenth and twentieth centuries, when one seeks to demarcate the space of a social control - a criminology -, which came to be arguable also in the brazilian scenario. Since than, new horizons have led to the concept of reformulating and since the last time the anthropotechinic has expanded its reach on problems that touch the human improvement, finding a fertile ground in the current discussions on transhumanism, human enhancement, cyberworld, use of drugs to expand cognitive functions, convergence technologies and psychopathologies related to anthropotechinic.Several authors contributed to the refinement of the anthropotechinic logics from their first formulations. It is important to highlight that Peter Sloterdijk has been one of the most outstanding thinkers in the use of the conceptual development of anthropotechnology, but at the end of the century. XIX, Leonce de Manouvrier has already launched his first bets on this theoretical reason. This assumption presupposes a human change as a fundamental characteristic, an idea that can’t go unnoticed in the history of criminological ideas. All these points allow us to question the possibility of create the concept of criminal anthropotechnic. Anthropotechinic is part of the scope of biopolitics, giving greater relevance to the anthropological aspect by highlighting the human susceptibility to factors of influence in its production. In this sense, since the racism of the century XIX - that transformed the prejudices into the motor of scientific definitions with unfolding, allowed the adoption of eugenics policies, specifically in matters of crime and heredity - up until to the complex theme to terrorism in its most diversified operations, the scope of analysis of these speeches becomes a mandatory stop for criminological political thought, which is a question about the technique of new perspectives for new reflections. Therefore the necessity of presenting the thesis of criminal antropotecnic from rescuing it from the anthropotechnie.
URI: http://hdl.handle.net/10923/16349
Aparece en las colecciones:Dissertação e Tese

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción TamañoFormato 
000496123-Texto+completo-0.pdfTexto completo2,34 MBAdobe PDFAbrir
Ver


Todos los ítems en el Repositorio de la PUCRS están protegidos por derechos de autor, con todos los derechos reservados, y están bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional. Sepa más.