Utilize este identificador para citar ou criar um atalho para este documento: http://hdl.handle.net/10923/5934
Tipo: doctoralThesis
Título: Aquisição de sujeitos e objetos pronominais no português brasileiro: um estudo longitudinal dos nulos, pessoais e seus casos na perspectiva da morfologia distribuída
Autor(es): Bulla, Julieane Pohlmann
Orientador: Scherer, Lilian Cristine
Editora: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Programa: Programa de Pós-Graduação em Letras
Data de Publicação: 2013
Palavras-chave: LINGUÍSTICA
AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM
MORFOLOGIA
MORFOSSINTAXE
PRONOMES
Resumo: Esta tese trata da aquisição dos pronomes pessoais no português brasileiro (PB) na perspectiva da Morfologia Distribuída. Com base em um corpus composto por falas de três crianças gravadas de forma naturalística e longitudinal entre 1 ano e 7 meses e 3 anos de idade, a investigação apresenta dados quantitativos e qualitativos da produção de pronomes pessoais nas posições de sujeito e objeto, bem como da expressão de sujeitos e objetos plenos e nulos. Por meio de análises morfossintáticas de contextos de 1ª pessoa, verificou-se que as crianças do corpus passam por um Estágio de Pessoa Opcional, em que alternam entre verbos flexionados e com flexão default, igual à de 3ª pessoa. Na exploração do caso morfológico, constataram-se apenas dois casos na aquisição do PB: o acusativo, responsável pela inserção dos clíticos me e te; e o oblíquo, inserindo as formas tônicas mim e ti. Propôs-se que o Merger Morfológico Descendente (EMBICK & NOYER, 1999; 2005) determina o caso acusativo para pronomes de 1ª e 2ª pessoas em posição interna a sintagmas verbais (VP) e caso oblíquo para pronomes de 1ª e 2ª pessoas internos a sintagmas preposicionais (PP).Após a inserção de itens acusativos, há ainda a atuação do Merger Morfológico de Deslocamento Local, que reordena linearmente os pronomes para a posição proclítica, típica do PB. Assim, a pesquisa contribuiu com dados longitudinais da aquisição de pronomes e da flexão verbal por crianças brasileiras, o que poderá servir como base para novas pesquisas, incluindo as que comparem a aquisição destes aspectos por crianças falantes de outras línguas.
This thesis investigates the acquisition of personal pronouns in Brazilian Portuguese (BP) from the perspective of Distributed Morphology. Based on a corpus composed by interactions of 3 toddlers recorded naturalistic and periodically from 1 year and 7 months to the age of 3, the study presents quantitative and qualitative data of the production of personal pronouns in subject and object positions, as well as null and overt subject and object production. From morphosyntactic analyses of 1st person contexts, it was found that the children in this corpus do pass through an Optional Person Stage, during which they alternate between agreeing inflected verbs and default inflected ones, being the last identical to 3rd person inflected forms. Exploring the morphological case issue, only two cases came out in the acquisition of BP: the accusative, responsible by the insertion of the clitics me and te; and the oblique, causing the insertion of the stressed pronouns mim and ti. It is proposed that case attribution may take place via Lowering Morphological Merger: accusative case is given to 1st and 2nd person pronouns which are VP-internal and oblique case to 1st and 2nd person pronouns that are PP-internal.After the accusative item insertion, there may still be the action of Local Dislocation Morphological Merger to rearrange the pronoun to a proclitic position, typical of BP. Thus, this research has contributed with longitudinal data of pronoun and verbal inflection acquisition by Brazilian children, what may engage future investigations, including those which compare the acquisition of these aspects by other languages speaking children.
URI: http://hdl.handle.net/10923/5934
Aparece nas Coleções:Dissertação e Tese

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
000458535-Texto+Completo-0.pdfTexto Completo2,47 MBAdobe PDFAbrir
Exibir


Todos os itens no Repositório da PUCRS estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, e estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional. Saiba mais.